Veterinários no divã - Filmes & Documentários de apoio

Compêndio de Vídeos e filmeS  - ASSISTA AGORA!

 

 

INSTRUÇÕES:

CLIQUE NOS TÍTULOS SUBLINHADOS E A PAGINA O DIRECIONARÁ.

"Para quem inclusive trabalha com Vida,

nada mais importante do que adentrar no universo de sua complexidade"

Safih Quelbèrt

 

Documentário sobre animais

Gregory Colbert

Ashes and Snow (Cinzas e Neve)(novo!)

 

O Gato como ele é - Documentário do INR

Não Matarás - Documentário do INR

 


Reflexão sobre  atitudes

 La Belle Verte -  Coline Serreau

Amor Pra Cachorro - Mike White

Síndrome do Estrangeiro

Entrevista com Robert Happe


Sobre nossa Herança Cultural

Alexandre - O Grande (novo!)

 

Reflexivos sobre nossas crenças

 

Adaptados de história real

Conversando com Deus

Você pode curar sua vida

Minhas Vidas - Shirley Maclaine

O Pequeno Buddha (novo!)


 

Comportamento e comunicação Entre Espécies

 

 Dra. Sheila Waligora

Entrevista Supreme Master Tv

 


Áudios

 

Veterinários no Divã entrevista Sheila Waligora

 

 A Aventura da Comunicação entre Espécies

 

A Voz do infinito nos Pequenos

 

 

Dr. Rupert Sheldrake

Experimento sobre telepatia nos animais

Charles Vandergaw

Convivendo entre ursos

Shaun Ellis

Convivendo entre lobos 

 

 

Reflexivos sobre o Universo

Fìsica Quântica e Espiritualidade (novo!)

Kymatica

The Naked Truth

Mindwalk

Quem somos nós?

 

 

 

Em breve todos os filmes contidos neste e-book estarão aqui listados. E no decorrer, mais filmes e vídeos pertinentes!

 


 

 

 

O GATO COMO ELE É...

Sinopse: Se você nunca conviveu com um gato e quer saber o que está perdendo, O Gato Como Ele é pode lhe dizer.
Através de depoimentos de veterinários, psicólogos ou simplesmente felizes companheiros desses pequenos felinos, você vai saber um pouco mais sobre sua história, suas características e seu temperamento. E quem sabe, depois de compreender melhor os gatos, você já poderá ser adotado por um. Conta com as participações especiais de Miguel Falabella, Ruy Castro e Danuza Leão.

   

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

LA BELLE VERTE (Turista Espacial) - Coline Serreau - Sinopse e Video

Esta é uma genial comédia francesa de ficção científica com temática ufológica.

"Turista Espacial" (1996 - 99 minutos), o título dado ao filme no Brasil, foi dirigido e protagonizado por Coline Serreau.

A trama toda é centrada em Mila, uma extraterrestre de 150 anos e cinco filhos, que vem à Terra como parte de uma coalização intergaláctica.
De um planeta adiantadíssimo, a alienígena vem para nos trazer uma mensagem de harmonia com a natureza. A Terra ainda é considerada pelo seu grupo como o único planeta incorrigível.
Mila tem codificados em seu cérebro dois programas telepáticos, criados para reestruturar o modo de pensar destrutivo dos humanos.
Ela pousa em Paris sem que ninguém perceba a sua chegada...
Logo de cara, não se dá bem com a nossa alimentação e precisa segurar recém-nascidos que lhe transmitem energia. Numa maternidade, Mila conhece um médico que a ajudará em sua importante missão.
Depois de muita dificuldade, a extraterrestre consegue se adaptar aos nossos costumes "atrasados" e, na volta para casa, leva consigo algumas jovens amigas e um bebê que fora abandonado pelos pais. 
A diretora Coline Serreau - que recebeu prêmio pelas músicas que compôs para o filme - faz uma divertida e também sarcástica crônica sobre o nosso caótico planeta.
Imperdível!

Fonte da resenha: http://www.enigmas.110mb.com

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Conversando Com Deus - Stephen Simon - Sinopse e Video

Esta adaptação do livro de Neale Donald Walsch,  inspirou e mudou a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo.

Conversando com Deus conta a história de quando, no pior momento de sua vida, Walsch (Henry Czerny), fez a Deus algumas perguntas bem difíceis. Dentro de cada um de nós há uma voz que fala a verdade. 

As respostas que ele recebeu de Deus se tornaram a base de um livro internacionalmente reconhecido, que já vendeu mais de 7 milhões de cópias em 34 idiomas. 

O filme narra a jornada de poucas e boas de Walsch que inadvertidamente se tornou um guia espiritual. Um filme que vai mudar a sua vida.

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Cinzas e Neve (Ashes and Snow)

Documentário fotográfico de Gregory Colbert - ESCLUSIVO!

 

 “Ao explorar a linguagem e a sensibilidade poética comum a todos os animais, meu trabalho tenta redescobrir um universo outrora compartilhado com harmonia pelos seres humanos e os animais. As imagens refletem um mundo que não tem começo nem fim, que não se situa aqui nem ali, que não está no passado nem no presente.”

—Gregory Colbert, Criador de Ashes and Snow

“Não existe conflito entre o homem e os animais em Ashes and Snow; é um mundo em que as diversas espécies coabitam em paz, cada uma povoando os sonhos da outra.”
—Los Angeles Times

Ashes and Snow, de Gregory Colbert, é um projeto que entrelaça diversos trabalhos fotográficos, revelando que nossos laços com os animais podem ser muito mais variados e surpreendentes do que imaginariam os habitantes das grandes cidades.

Com profunda paciência e um inabalável compromisso com a natureza expressiva e artística dos animais, Colbert capturou momentos de extraordinário contato entre seres humanos e animais, exibindo cenas da intimidade entre habitantes das partes mais remotas do mundo e animais selvagens como águias, elefantes, leopardos – e até mesmo baleias...O próprio Colbert aparece nadando com um elefante (cena também registrada em foto) e mergulha, sem equipamento algum, com uma baleia de 55 toneladas. (Para que essa cena fosse captada, Colbert passou cerca de dois anos e meio estudando os hábitos das baleias e aprendendo a se aproximar delas – as imagens foram feitas por outro fotógrafo, a cada mergulho do canadense).

O material é resultado de treze anos de expedições a países como Índia, Egito, Mianmar, Sri Lanka, Quênia, Etiópia e Namíbia.

"Os animais nunca impuseram barreiras aos homens. Foram os humanos que inventaram essa distância; ela é artificial". (disse Colbert, um aguerrido defensor dos bichos, a VEJA - ed. Abril)

Sua iconografia animalista do século XXI inclui espécies totêmicas de várias regiões do mundo. Desde que iniciou a criação de sua singular obra Ashes and Snow, em 1992, o artista realizou expedições para regiões como Índia, Egito, Burma, Tonga, Sri Lanka, Namíbia, Quênia, Antártica, Açores e Bornéu, coletando imagens que ele perpetuou em fotografias e filmes.

A exposição foi apresentada pela primeira vez no Arsenale de Veneza, Itália, em 2002. O Nomadic Museum, lar itinerante de Ashes and Snow, foi inaugurado em Nova York (março a junho de 2005), tendo em seguida viajado para Santa Monica (janeiro a maio de 2006), Tóquio (março a junho de 2007), Cidade do México (janeiro a abril de 2008) e Brasil em 2009.

O objetivo é que a instalação viaje pelo mundo afora, sem destino final.cujo desejo é de mostrar que a arte deve ser acessível a todos – "e não reservada a uma elite".

Da filosofia por trás de sua concepção à trilha sonora, Ashes and Snow exala um indisfarçável espírito new age.

 "A natureza é um poema, e nós, homens, com nossa arrogância, temos de parar de pensar que somos a parte mais importante dela – somos apenas uma sílaba", diz Colbert.

Seu trabalho fotográfico, contudo, tem inegável beleza plástica e capta homem e animais em cenas de comunhão perfeita. "Os povos que visitei e fotografei têm uma linguagem corporal diferente da nossa. Eles interagem com os animais naturalmente.

Nada disso foi ensaiado ou posado", afirma Colbert. As fotografias apresentam momentos de interação tanto com animais selvagens quanto com animais habituados ao contato com seres humanos.

O título Ashes and Snow faz referência ao componente literário da exposição — o relato fictício de um homem que, ao longo de uma viagem de um ano, escreve 365 cartas à esposa. A origem do título é revelada na 365a carta. As fotografias e o longa metragem de uma hora, realizados por Colbert, constituem livres interpretações dos encontros e experiências descritos pelo narrador em suas cartas.

Colbert, para quem os animais são “obras-primas vivas da natureza”, decidiu filmá-los em seus habitats naturais, empenhando-se em ser fiel à voz de cada um deles. O filme pode ser visto como uma obra de arte, mas também como uma pesquisa de campo impregnada de poesia.

Editado por Pietro Scalia, duas vezes premiado com o Oscar de Melhor Montagem, o filme é narrado por Laurence Fishburne (inglês), Ken Watanabe (japonês) e Enrique Rocha (espanhol). Entre os músicos responsáveis pela trilha sonora estão Michael Brook, David Darling, Heiner Goebbels, Lisa Gerrard, Lukas Foss, Nusrat Fateh Ali Khan e Djivan Gasparyan.

E projeto do artista não termina por aí. Ele pretende retratar ainda mais espécies pelo mundo – e, claro, continuar militando pela causa dos bichos.

"Não teremos futuro se não deixarmos de ser predadores", diz o artista que já esteve no Brasil e, obviamente, tem opiniões apaixonadas sobre a necessidade de conhecer e preservar a Amazônia.

"A floresta é como uma biblioteca. As espécies são seus livros.

É preciso ler cada um deles para preservá-los. Caso contrário, nada sobrará", diz.

Fonte: http://www.ashesandsnow.org e Veja - Ed. Abril

 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


Minhas Vidas - Shirley Maclaine - Robert Butler - Sinopse e Video

EUA, 87. Direção de Robert Butler. Roteiro de Shirley MacLaine e Colina Higgins, baseado no Livro “Minhas Vidas”. Com Shirley MacLaine, Charles Dance, David Manning, Anne Jackson, Jerry Orbach.

Minhas Vidas é baseado no livro homônimo e autobiográfico da atriz Shirley Maclaine e narra seus primeiros contatos com o mundo espiritual.

Atriz de inegável talento; ganhadora de vários prêmios internacionais de interpretação; show-woman que lota teatros nos Estados Unidos e Europa; autora de quatro livros best-sellers; relativamente bonita e bem casada; certamente rica e saudável.” Assim começa o informativo editado pela própria Rede Globo, que continua: “Pode parecer a todos que Shirley MacLaine tinha tudo na vida, mas ela achava que algo muito importante lhe faltava: um objetivo, um rumo, um sentido para sua existência. Ela interpreta seu próprio papel, na minissérie Minhas Vidas (Out on a limb), baseada em sua autobiografia, lançada em 1984, na qual narra procura por um objetivo existencial. Produzida em 1987, Minhas Vidas foi filmada durante um ano em locações na Califórnia, Londres, Estocolmo e Peru. A história começa há cerca de dez anos, quando Shirley começa se relacionar com assuntos esotéricos, metafísicos, religião e ocultismo.”

Ponto alto da produção é a viagem astral mostrada no capítulo final.

fonte:http://www.uema.com.br/filmes/83/

VOLTAR AO ÍNDICE

 


Year of the Dog
Ano de Produção: 2007
Direção Mike White
Elenco: Molly Shannon, Laura Dern, Regina King, Thomas McCarthy, Josh Pais, John C. Reilly, Peter Sarsgaard, Amy Schlagel, Zoe Schlagel e Dale Godboldo.

Este filme fala de um assunto muito simples: Amar, amor, suas relações e reciprocidades.

Embora todos nós desejamos ser amados,muitos de nós alegam preferir os animais aos humanos. Será que realmente já paramos para pensar no porquê deste "isolamento", considerando o "outro" como doente sem sequer questionar que nós é que estaríamos nos fechando, nos dessensibilizando e com isso impedindo o fluxo do amor?

Através de alguns discursos e comportamentos do personagem Al, por exemplo, ao descrever seu hobbie, nos mostra indiretamente como muitos de nós nos portamos semelhantemente: caçando, julgando aqueles que buscam destinar sua sensibilidade e afeto extendendo a todas as formas de vida, numa consideração e compaixão tão éticas que em verdade se tornam repugnantes aos olhos dos que, inconscientemente ao aceitar o fato, teriam que conceber uma parcela ainda pouco desenvolvida dentro de si mesmos.

Por outro lado, a personagem principal testa nosso julgamento, e é fácil fazer isso, quando nos deparamos a certas compulsões, mostrando-nos outro lado da situação, e assim nos levando a perguntar se nós mesmos, os "caçadores" não estamos nos distanciando tanto do amar, de forma que os humanos mais humanos procurem a simplicidade que se dá além das palavras e do "português" para trocarem este precioso sentimento pela vida.

Convido-os então para sentirem-se e espelharem-se nas mais diversas facetas  as quais desenrola o filme, de forma que passemos a não preconceitualizar as diferenças e a compaixão, afastando possibilidades,já que vivemos num universo mais materialista e egoísta. O ideal seria que houvesse um equilíbrio de forma que nos déssemos as mãos e aprendamos uns com os outros, nos abrindo para as relações sem máscaras, e com este aprendizado humano, extender a todas as formas de vida.

Por último, fica "o toque" para que prestem atenção nos últimos diálogos, de forma a perceberem quem na realidade necessita de ajuda: se os humanos sensíveis e em busca de um ideal, ou nós mesmos que nos colocando no lugar de "auxiliadores", na verdade somos os seres "limitados e racionais" que temos que reaprender a amar a todas as coisas e por esta falta causamos estes desastres e compulsões.

Que possamos com este filme reapreender a compaixão, estender o amor e o respeito e compreender que somos seres diferentes dos outros e não superiores por sermos humanos. Talvez esta seja a peça chave para que possamos regressar a morada do amor dentro de nós e cuidar para que toda espécie de vida tenha dignidade, afinal, do que a personagem se compadeceu, em realidade é fruto de atitudes, ou melhor seria, de negligências que todos cometemos ou colaboramos se fecharmos os olhos.

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

 Você Pode Curar sua vida - Louise Hay

Depois do sucesso de Quem Somos Nós? e O Segredo, a autora best-seller Louise Hay transforma um dos livros de auto-ajuda mais vendidos da história editorial em mais uma superprodução de cinema de bem-estar. Baseado no livro que vendeu mais de 35 milhões de cópias e foi traduzido para 29 idiomas, Você Pode Curar Sua Vida conta também com a participação especial de Esther e Jerry Hicks, autores de A Lei Universal da Atração e Peça e será atendido. Misturando episódios dramáticos com depoimentos de alguns dos autores e professores mais conhecidos na área de bem-estar, o filme mostra a amplitude do alcance das emoções em nossas vidas,e como modificá-las.

idioma: Português - Legendas: PT

Bom Filme e reflexão a todos!

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Síndrome do Estrangeiro - pela psicóloga Malu Balona

Psicóloga, pesquisadora e conscienciologista, Malu há 16 anos estuda fenômenos parapsíquicos no Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC) e é autora do livro "Sindrome do Estrangeiro".

Síndrome é um conjunto de sintomas. A Síndrome do Estrangeiro é um quadro onde a pessoa apresenta uma sensação de inadequação, um eterno sentimento de não estar no lugar certo, na hora certa, é a famosa sensação de ser "um estranho no ninho".

É frequente encontrar nos testemunhos relativos à Síndrome do Estrangeiro expressões como:

• Devem estar a enganar-me sobre a minha origem, pois sei que não sou daqui.

• Sempre fui rotulado de “ovelha negra”.

• Sinto-me como se fosse de outro mundo.

Com base nas ciências Projecciologia e Conscienciologia, a Síndrome do Estrangeiro é uma pesquisa inédita dedicada a todas as consciências que se sentem “estrangeiras” na vida humana. No entanto, educadores, terapeutas, médicos e psicólogos também poderão beneficiar das hipóteses levantadas e soluções apresentadas.

Saiba mais assistindo a esta entrevista!

 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

 Entrevista com Robert Happe

“A vida é uma jornada para descobrir quem você é”. Intitulado “Consciência é a resposta” , esta entrevista contém uma mensagem simples, porém riquíssima, em relação ao que somos, o que pensamos, porquê agimos de forma muitas vezes egoísta e racional... Para onde a educação nos conduz, e o que todos queremos intimamente para com nossas vidas.

VOLTAR AO ÍNDICE

 


Não Matarás - INR

O contexto geral deste vídeo é permeado de mensagens estimulantes a novas condutas, embora essas mensagens se evidenciem pela contraposição do que nossa realidade ainda pratica. Contudo, o conteúdo passa a surtir positivismo, no sentido de que mostra como existem pessoas do bem fazendo sua parte para modificar esta realidade, incentivando cada espectador a questionar-se e abrir-se para uma nova verdade de forma que, após assistí-lo, sinta-se motivado e assegurado a defender a ética e moral dentro das universidades.

Portanto, ao assistir este vídeo abaixo, não enxerguemos pelo lado vergonhoso do ser humano, embora cause esta sensação, e sim tomemos estes exemplos citados no vídeo, esta realidade, juntamente com as opções coerentemente oferecidas, para sermos, cada um de nós, mais um a enfatizar e fazer valer em mais unFQErsidades esta mudança benéfica que já está acontecendo!

 


VOLTAR AO ÍNDICE

 

 


 

The Naked Truth - Jordan Maxwell, Bill Jenkins (1991)

Descubra de onde se originam as religiões e seus simbolismos, faça suas críticas.

Aprenda a enxergar os símbolos em seu cotidiano.

Duração -  1:58min. - Legendas: PT/BR



 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


Convivendo entre Ursos

Este é um documentário sobre Charles Vandergaw, um excelente comunicador entre espécies, muito embora possa sequer saber desta técnica...

Convivendo há 20 anos em perfeita harmonia com os ursos no Alaska, e só utilizando-se para defesa um pequeno galho de madeira, após grande exemplo de que reformulações de vida são possíveis, optando por viver na simplicidade e longe de sua família (que vê vezes ao ano), este ex caçador de ursos,diz ter descoberto sua verdadeira vocação de vida, arrependendo-se emocionadamente quando fala de seu passado. Em contrapartida, a polícia florestal da região, é notoriamente contra, alegando que alimentar ursos, faria com que eles pudessem atacar a vizinhança.

Charles então, decide criar um “falso” local para caça, a fim de justificar a alimentação dada a estes, de forma que possa ter autorização para alimentá-los e assim não ficar na mira dos policiais. Porém, a mídia, se interessando cada vez mais pelo caso, tornou-o público, e em suas intrigantes perguntas à Charles, confirmara fatalmente que suas intenções nada mais eram do que estratégias para continuar vivendo entre ursos.

O que teríamos que aprender com isso?

A vocação e identificação do homem para com os animais datam de muitos séculos. E é nesta interação que aprendermos sobre nosso próprio lado “animal”, entrando em contato, resgatando, domesticando e equilibrando nossas emoções instintivas. É uma forma lúdica de conhecer os aspectos mais obscuros de nós mesmos, e em contraparte, em contribuirmos para a evolução deles, no quesito comportamento, aprendizado, aprimoramento do ser.

A maneira com que expressamos nosso interesse ou rejeição pelos animais, nada mais é do que um simbolismo do que sentimos por nós mesmos em determinados aspectos ainda inconscientes... Podemos constatar que, quem lida com animais tem olfato mais apurado, ouvido mais sensível, tato aprimorado, por exemplo. Esta é uma forma de resgate de nosso lado instintivo.

Por outro lado, adquirindo e resgatando este “plus”, também nos tornamos mais emotivos, pois ao lidarmos com animais, percebemos que não há muita dissimulação como tendem a ser os humanos.

Também importante de se observar, principalmente neste vídeo, é que, quando nos relacionamos com animais, não importa a linguagem “falada”, dado que eles nos entendem em qualquer vocabulário, do português ao chinês.

Claro, podemos “adestrar” um animal...é verdade. Mas a única linguagem entendida e profunda, é a vinda e expressa por nosso coração, de dentro da alma, onde fluem, pela linguagem vocabular, nossos sentimentos, complementados via comportamento e atitudes.

Os animais, captam nossos sentimentos, nossa expressão, nos observam atentamente cada detalhe, até por uma questão de sobrevivência.

O corpo fala, o sentimento se expressa desde um olhar, até, mais sutilmente na energia que emanamos. E estes dados são captados inteiramente por eles.

Nossos sentimentos se convertem em energia, propiciando a eles, a captação de um terreno seguro, nossas sensações também desencadeiam hormônios que emitem odores, complementando as informações que obtém sobre nós....

Talvez fosse este o segredo de Charles...

Mas muitos de nós, cada vez mais cibernéticos, deixamos de lado estas observações. Admiramos ou condenamos, sem tirar, explorar o que o tema e outros temas podem nos ensinar...

Na linguagem inter espécies, seja entre humanos e animais de estimação, ou mesmo com outras espécies, nos baseamos no sentir a situação, com a mente aquietada, silenciosa para podermos estabelecer este contato.

 Charles, nesta entrevista, revela que o que utilizou para estabelecer este convívio com os ursos fora o que sabia sobre cães. Mas se observarmos, conhecedores ou não desta técnica da comunicação entre espécies, sentiremos que esta essência necessária para compreendermos e lidarmos com a natureza, está intrinsecamente ligada ao que todos nós temos, a comunicação dos sentimentos alma-alma, linguagem universal e única: o AMOR e a Intuição.

E o que podemos observar aqui, é que, independente da linguagem, a comunicação se estabelece inter almas, inter corações, pois seus sentimentos (até de remorsos convertidos para uma super dedicação), foram conseguidos de serem captados por estes grandes seres, proporcionando uma emocionante interação harmoniosa.

Recentemente veiculou na internet, pela Animal Care, uma petição para que se continuasse permitindo o convívio de Charles com seus ursos. Mas ao que parece, Charles, já com mais de 70 anos, sente que está próximo do fim este convívio.... Tendo que fazer tudo por si, desde promover seu alimento até o corte da lenha, andando quilômetros na área natural em que vive, Charles num recente vídeo que é transmitido às 2as. na TV a cabo Animal Planet, fala de seu cansaço natural da idade...

Teria sido, este convívio uma experiência única para Charles, ou poderemos absorver aprendizados com estas controversa história?

Estaria realmente Charles cansado devido à idade, ou à pressão psicológica da polícia em seu direito e escolha de vida?

Fica no ar a resposta...

Inicialmente, pensei em adicionar legendas neste documentário. Porém, achei bem pertinente passarmos pela experiência a qual todos os animais passam, quando entram em nossas vidas e nada entendem de nosso vocabulário, dado que conforme explica muito bem a médica veterinária, comunicadora entre espécies, Sheila Waligora, os animais se relacionam conosco, e nos compreendem pela soma do alinhamento da intensão (mental) com o sentimento (energia transposta incluindo as sob forma de atitudes e a sutil), independente da linguagem (português, inglês, etc).

Desta forma, quem não entender inglês, irá se guiar pelos sentimentos que as cenas evocam. Não é assim que acontece com eles?

E o resultado através desta experiência visual-sensória, com certeza irá resgatar a quem falte, o lado da emoção essencial que nos guia e que tão importante quanto outros aspectos bibliográficos, científicos e literários, necessitamos adicionar quando lidamos com estes seres, sejam selvagens ou domésticos.

Mesmo que você entenda inglês, procure não se ater ao falado. Desligue o som, se necessário! Faça esta experiência! Sinta-se como eles! Retire deste aprendizado o de se colocar no lugar de outrem, quem quer que seja...animal ou humano...Esta também é base da compaixão e solidariedade que perdemos pouco a pouco na nossa sociedade.

Boas emoções pra você!

Obs. Em nenhum momento este e-book sugere que o leitor faça experiências arriscadas como esta, apenas tem como objetivo, leva-lo a expandir sua visão sobre situações da vida, através de outros prismas, nem que seja para confirmar o seu.



 

 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Dra. Sheila Waligora - Vídeo

Sheila é médica veterinária homeopata, pioneira no Brasil na área de comunicação entre espécies, realiza workshops por todo continente.

Saiba mais sobre seu trabalho: http://sheilawal.wordpress.com

Entrevista recente na Supreme Master Tv

 

 

Áudios com Sheila Waligora 

 

 

 

Safih Quelbèrt entrevista

 Sheila Waligora

Saiba mais como a Comunicação entre Espécies pode ser importante para você,  estudante e/ou profissional da área de medicina veterinária!

Saiba mais sobre seu workshop clicando aqui.

A Aventura da Comunicação entre espécies

Como se comunicar com os reinos da natureza?

O que temos para aprender com eles?

Como se dá esta técnica?

Saiba mais escutando agora, ao lado!

A voz do infinito dos pequenos

Neste áudio, você irá aprender mais sobre os pequenos seres da natureza, compreendendo sua importância para o equilíbrio não só da natureza, como para nós mesmos...Confira ao lado!

VOLTAR AO ÍNDICE

 

 

 


 

Rupert sheldrake - experimento sobre a comunicação entre espécies pela telepatia

Biologia é uma Ciência, ponto final.

Mas, não muito diferente das outras, ela configura-se também verdadeiro campo de batalha para as diferentes correntes de pensamento. Especificamente poderíamos polarizar todas essas “escolas” num par antagônico: a “mecanicista” – também denominada neo-Darwiniana – a qual considera os sistemas biológicos máquinas complexas cujas diferentes partes funcionam sinergisticamente; e a “vitalista”, que concebe esses sistemas como se “impregnados” de alguma forma de “energia vital” a qual explicaria holisticamente os organismos e o que se passa em seu interior – ou, pelo menos, suplementaria as “deficiências” do modelo mecânico.

Um dos principais expoentes desta última é justamente o britânico Dr. Rupert Sheldrake, um dos chamados “pensadores radicais”, cuja mundialmente aclamada “Teoria dos Campos Morfogenéticos” praticamente deixou para trás os meios acadêmicos para se imiscuir com força em todos os campos do conhecimento, seja ele erudito ou da cultura “pop”.

Em 1981, quando ainda não tinha 40 anos, Rupert Sheldrake publicou seu primeiro livro, intitulado A New Science of Life (Uma Nova Ciência da Vida ), apresentando ao mundo científico o fundamento teórico para uma visão nova e revolucionária da gênese morfológica, ou seja, para o surgimento das formas no mundo orgânico e inorgânico.

De imediato, o livro suscitou violentas discussões em publicações científicas e nos grandes jornais. Subitamente, Sheldrake viu-se no centro de uma disputa, a qual se alastrou para além dos meios científicos .

Quando tinha 17, entre o ginásio e a universidade (Cambridge), trabalhou temporariamente como um técnico de laboratório para uma companhia farmacêutica de Londres, pretendendo adquirir experiência científica e trabalhar com animais. No entanto, sendo ali um laboratório de dissecação, onde submetido à maior carga do “trabalho duro” ( em suas palavras: assassinar centenas de ratinhos, porquinhos-da-índia e outras cobaias, preparar gatos para dissecação, etc), tudo aquilo lhe suscitou sério conflito , pois estava interessado em Biologia justamente porque gostava de animais. Começando a constatar que havia algo seriamente errado com a concepção científica mecanicista, a qual com absurda freqüência envolve matar animais para estudá-los, ao invés de justamente estudar o fenômeno que é a vida per si, em Cambridge, onde concluiu sua formação em Biologia, fora apresentado à poesia do alemão Goethe, a qual lhe inspirou a buscar a ciência numa forma holística.

Começando a perceber o quão limitado era a visão mecanicista, após sua graduação, estudou Filosofia em Harvard, ampliando ainda mais a sua perspectiva.

Concluindo que as revoluções científicas envolvem rompimentos paradigmáticos e a teoria mecanicista não passava de um paradigma de um modelo da realidade que poderia ser alterado, ao invés de ser mantido como um aspecto necessário da própria ciência, retornou à Cambridge para o seu Ph.D. em Biologia Desenvolvimental (BD), comprovando existir sim diversos problemas que não podem ser solucionados por uma concepção mecanicista.

E fora aí que começou a se interessar pelos campos morfogenéticos, campos que “moldam as formas”....

Idéia já bastante conhecida em B.D., inicialmente proposta nos anos 20, propõe uma nova espécie de campo para além dos conhecidos pela Física, detentores de uma espécie de memória.

Isto lhe levara á hipótese dos campos mórficos e ressonância mórfica, através dos quais, influências pretéritas afetariam acontecimentos presentes, na base da similaridade, onde cada espécie possui um tipo de memória coletiva, alimentada e compartilhada por cada um dos seus componentes simultaneamente.

Os campos mórficos explanam como os organismos vivos estão integrados e como as suas diferentes partes trabalham juntas. Não só nos ajudando a compreender o desenvolvimento da forma e do comportamento, mas igualmente a organização dos grupos sociais, este novo horizonte quântico o levou a estudar os poderes surpreendentes de nossos animais de estimação.

Autor de diversas obras científicas, Dr. Sheldrake realizou uma longa pesquisa e diversas entrevistas sobre o comportamento animal, apresentando inúmeros casos de percepção singular. Localizou, por exemplo, animais domésticos que previram a ocorrência de terremotos e mesmo um cachorro que tinha a capacidade de antecipar os ataques epilépticos de sua dona.

Explicando tais fenômenos através da teoria das "células mórficas", segundo a qual há campos invisíveis de conexão entre os seres, este vídeo é uma pequena amostra de sua pesquisa...


 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

 

Vivendo entre lobos

Para o britânico especialista e autodidata em lobos, Shaun Ellis, as alcatéias não são apenas seu trabalho, são sua família. Por anos Shaun dorme, come e vive com lobos no Parque Combe Martin, na Inglaterra. Por meio da imersão na vida comunitária destes animais, Shaun pretende não apenas promover um maior conhecimento acerca da espécie, mas também reintegrar suas populações ao redor do mundo.

Ao longo de sua vida, ele tem dedicado muito do seu tempo a estudar e pesquisar o comportamento de lobos selvagens vivendo entre eles, o que lhe permitiu uma percepção complexa sobre estes seres canídeos. Por estar mais próximo aos lobos do que quase qualquer outro lugar do mundo, ele aprendeu uma língua diferente de qualquer outro.

 Acreditando que viver ao lado de lobos é a melhor forma de compreendê-los, Ellis mergulha nesta inter relação, vivendo e se comportando como eles. 

Desde pequeno Shaun teve contato com animais.Educado no fundo do campo, na pequena vila pitoresca da Grã Massingham, começou a observar animais selvagens em uma idade jovem, aprendendo a usar seu senso de cheiro e som para encontrar o seu caminho à noite, quando estudava raposas e texugos.  

Conhecendo um biólogo americano nativo, em um seminário sobre lobos, a partir dessa reunião, ele foi capaz de passar sete anos vivendo com os nativos americanos de Nez Perce, em suas reservas em Idaho do norte, como um voluntário em um projeto de estudo lobos no sopé das Montanhas Rochosas. Lá, eles lhe ensinaram como observar lobos, Shaun foi capaz de entrar em um cativeiro de lobos,vivendo entre eles, passando a acreditar que os lobos são animais muito inteligentes e instintivos que inspiram confiança e equilíbrio dentro da estrutura social .características que são muitas vezes mal compreendida pelos seres humanos. 

Dentre seus projetos, Shaun está envolvido com a Polônia e Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, cujo objetivo é o desenvolvimento de métodos para desencorajar a entrada de lobos áreas de potencial conflito com os humanos. 

"Apesar de muitas pessoas referem-se aos lobos como assassinos selvagens , eu vim a conhecer e amá-los como família." 

Recentemente, ele passou 18 meses vivendo em cativeiro, com um trio de filhotes de lobo que tinha sido abandonado pela mãe no nascimento, educando-os como lobos selvagens na esperança de que eles poderiam sobreviver em estado selvagem. Seu trabalho é dedicado à promoção do bem-estar dos lobos selvagens e em cativeiro, promover o conhecimento e a consciência da situação do lobo e do avanço do conhecimento do comportamento do lobo através de pesquisa e educação.

Ele está envolvido em uma série de projetos de investigação, tanto na Polônia e no Parque Nacional de Yellowstone, com o objetivo de desenvolvimento de métodos para desencorajar lobos selvagens a entrada de áreas de potencial conflito com os humanos. 

Ellis é o autor de "The Talk Wolf" (Rainbow Publishing, 2003) e "Spirit of the Wolf" (Parragon Publishing, 2006). Ele freqüentemente fala sobre seu trabalho na televisão e em eventos públicos. Ele também aconselha os centros de outros animais selvagens que mantêm pacotes de lobo.

 Determinado a continuar a viver com os lobos, e, muito embora esta sua decisão tenha lhe custando sua família e a sua casa, Shaun realmente acredita que pode fazer a diferença.

E se você acredita que seria impossível encontrar uma companheira capaz de compartilhar atividades como esta, Hellen Jeffs, noiva de Shaun Ellis, aceitou acompanhá-lo de perto em seu trabalho pouco convencional: fazer parte de uma alcateia. Há três anos vem atuando como voluntária no trabalho com lobos, aceitando o estilo de vida peculiar que seu namorado leva, por ser tão apaixonada por essa missão quanto ele.

Resta a pergunta...E entre nós humanos, por que razão a comunicação muitas vezes é tão dificultosa...

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

 

Kymatica

Seqüencia do Esoteric Agenda, este filme centra-se na consciência humana e na universal e assinala psique doença que a humanidade tem induzido que está criando insana ilusão que é a principal causa da dor e do sofrer.

Avança mais em aspectos metafísicos e conecta antigos mitos e a história escondida com modernas formas de sociedade.

Explica xamanismo, dualidade, e a realidade por trás de DNAs e modernas falsas crenças.

Globalmente, Kymatica é um excelente filme que tenta apontar o erro de que a humanidade está enfrentando hoje, que resultou em desequilíbrio entre planeta, da natureza e das espécies.

Duração -  1:22min. - Legendas: PT/BR


 

VOLTAR AO ÍNDICE

 

 


Mindwalk  - "O ponto de Mutação" - by Bernt Capra

Após perder a eleição para a presidência dos EUA Jack Edwards (interpretado por Sam Waterston) vai à França visitar seu velho amigo, o poeta Thomas Harriman (interpretado por John Heard). 

Lá conhecem a cientista Sonia Hoffman (interpretada por Liv Ullman) e juntos tecem uma profunda discussão sobre questões existenciais. Filme baseado no livro “The Turning Point” (O ponto de Mutação), de Fritjof Capra.

Disponível no Brasil apenas em VHS, graças a uma iniciativa particular, este filme aborda magistralmente idéias sobre a interconexão dos sistemas ecológicos, passando pela física quântica e as dificuldades políticas na transformação do planeta. 

Cenário incrível do Monte Saint Michel, na França. Atores impecáveis. Roteiro com informações relevantes sobre vários temas, incluindo história, biologia, física - e, mesmo assim, quase poético.

Mesmo sendo um filme antigo já há uma discussão sobre o impacto da pecuária no meio-ambiente e a destruição da amazônia pelos criadores de gado é citada.

Direção: BERNT CAPRA
Atores: LIV ULLMANN, SAM WATERSTON,JOHN HEARD.
Duração: 126min - Baseado nas idéias do livro homônimo de FRITJOF CAPRA.
Inglês com legendas em português. 

 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


O Pequeno Buddha - Bernardo Bertolucci

Um pequeno jovem americano conhece um grupo de monges tibetanos que asseguram que ele é a reencarnação de um verdadeiro professor Budista.

Sob a incredibilidade inicial, pais e filho partem rumo ao país asiático onde encontram crenças e formas de vida muito distintas das suas.

Este filme é uma fábula para a criança que existe em cada um de nós e abre as portas ao Ocidente mostrando a experiência única do Busdimo, mostrando esta filosofia através de uma forma lúdica e interessante.

Para saber mais sobre o budismo, mantras & outros, acesse nosso "Espaço Zen"

Direção: Bernardo Bertolucci
Duração: 123min
Inglês com legendas em português. 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Alexandre - O grande - Oliver Stone

Alexandre III foi realmente uma figura poderosa, inclusa no reduzido grupo de homens que definiram o curso da história humana. Sua trajetória de conquistas e suas habilidades militar e política são um marco na historiografia,considerando um dos pilares da consolidação da cultura ocidental.

Alexandre nasceu em 356 a.C., na Macedônia,filho do rei Filipe II, cedo  destacando-se como um rapaz inteligente e intrépido. Quando tinha 13 anos, seu pai incumbiu um dos homens mais sábios de sua época, Aristóteles, de educá-lo. Assim Alexandre aprendeu as mais variadas disciplinas: retórica, política, ciências físicas e naturais, medicina e geografia, ao mesmo tempo em que se interessava pela história grega e pela obra de autores como Eurípides e Píndaro.

Também se distinguiu nas artes marciais e na doma de cavalos (no filme podemos ver esta comunicação e indício da medicina veterinária), de tal forma que em poucas horas dominou o Bucéfalo, que viria a ser sua inseparável montaria.

Depois do assassinato de seu pai em 336 a.C., Alexandre subiu ao trono da Macedônia e se dispôs a iniciar a expansão territorial do reino.

Elaborou seu mais ambicioso projeto: a conquista do império persa, a mais assombrosa campanha da Antigüidade, cujo sonho era unir a cultura oriental à ocidental.

Em 332 a.C. fundou Alexandria, cidade que abrigava a famosa Biblioteca de Alexandria e que viria a converter-se num dos grandes focos culturais da Antigüidade, trazendo contribuições ecléticas até nossa atualidade, nos mais diversos campos.

Neste filme, poderemos compreender muito de nossa história.

Ao início, trava-se uma batalha, mostrando como eram os exercitos e as conquistas nequela época, onde os soldados, ao contrário de hoje, nada levavam como provimento para si, apenas a vontade de lutar, somadas às suas inspirações mitológicas e morais.

Passado este primeiro momento, começamos a ver como era a educação nos tempos antigos, conhecendo Alexandre ainda criança, nos fazendo refletir sobre os sonhos e as conquistas de cada ícone na história.

Vale notar também a simbologia traçada por Stone na amarração de seu enredo, a qual envolve desde conceitos psicológicas baseadas na mitologia, como o "complexo de Édipo", até a valorização da presença animal naquela sociedade: temos as cobras de Olímpia, o cavalo Bucéfalo, ursos, panteras, leões, macacos (tratados como pequenos homens pelo admirado Alexandre, ao chegar à Índia) e elefantes.

Confesso que na escola sequer pude imaginar sua imensa contribuição, como o quanto este filme foi capaz de sintetizar.

Assim, este filme, resume grande parte de nossa história, surgida através de sonhos, de lutas e fraquezas, do medo, das doenças, e que impulsionou a posteridade em suas diversas profissões.

Não temos que nos emocionar apenas quando subimos no palco e recebemos em mãos nosso diploma...Não. Temos que sentir nas veias o quanto nossa profissão vem de tão longe, alimentada pela fé, pelo sonho, pelo ideal que moveu montanhas e se transformou através dos tempos, assim como do papiro de antes temos hoje o que chamamos de livro em nossas mãos...

Olhando com olhos mais profundos, reflito que deveríamos deixar nosso ego, nosso orgulho, nossas disputas, que ora eram consideradas maldições dos deuses e hoje são por tantas outras, e tentar nos inspirar no ideal de harmonia que sempre permeou a humanidade, tentando unificar os povos ao invés de colocarmos à prova.

Embora tenha obtido pouca divulgação, são estes comparativos que estão muito além da cortina sangrenta deste filme, que deveríam ser observados.

Espero que muitos possam com ele, sentir que dentro de cada um de nós, dentro e fora de nossa profissão, jaz uma centelha de história que ao contrário, não deve ser descartada dentro das escolas, mas sim desvelada para que possamos respeitá-la, nos inspirando e aperfeiçoando sempre em prol de uma evolução digna.

Aristoteles, Hipócrates,Galeno, Hanemman, Darwin, descartes, e tantos, tantos outros, foram crianças como nós, como Alexandre, com seus medos e sonhos.

Atores:  Colin Farrell (Alexander), Angelina Jolie (mãe de Alexander),Val Kilmer (rei Felipe II da Macedônia), Anthony Hopkins (Ptolomeu, amigo e conselheiro de Alexandre) e Cristopher Plummer, como o filósofo grego Aristóteles, um dos tutores de Alexandre ainda em sua infância.

Direção: Oliver Stone
Duração: 123min
Inglês com legendas em português. 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Física Quântica e Espiritualidade-  Laércio Fonseca

Formado em física pela Unicamp e especializado em astrofísica, abandonou sua vida universitária para dedicar sua vida e seu tempo no trabalho de levar às pessoas a verdadeira consciência espiritual da vida.

Nesta palestra de quase 2 horas, você vai resgatar tudo o que aprendera no cursinho, compreendendo de forma clara porém nada complicada, como podemos através da física de Newton, Einstein e outros, entender a espiritualidade como fato, como aspecto puramente fisico e característico do universo, independente da religião pessoal de cada um.

O que é a telepatia - Como explicar fisicamente a consciência e os mundos mais sutis - O buraco Negro e o Big Bang - Estas e outras questões são explicadas de forma lúdica e divertida através deste renomado professor da Unicamp. Confira! É simplesmente bárbaro!

Laércio é Professor de Tai Chi, Kung Fu, Yoga, Filosofias Orientais e Medicina Chinesa, lecionou em cursos pré-vestibulares por mais de 10 anos como o Anglo Vestibulares e o Universitário, nas cidades de Campinas e Ribeirão Preto e hoje realiza seminários Brasil afora.

É autor dos livros:

OBS. Para baixar esta palestra em MP3 e ouvir em seu ipod clique com o lado direito aqui  e salve em seu PC

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Quem Somos Nós?

Este é um dos filmes mais fantásticos que já vi, e uma prova de que a mídia infelizmente ainda se interessa em predizer a mentalidade da sociedade, tanto que não há grandes referências dele aqui no Brasil, mais no Exterior...

Através do cotidiano de uma fotógrafa, cientistas, psicólogos, físicos, biólogos,teólogos e outros, vão conversando com você sobre o Universo e suas percepções, descrevendo nossos processos de consciência, de uma forma direta, simples, muito didática, onde ao final do fime, já nos sentimos despertos e modificados qualitativamente.

Somos todos um mistério? Somos todos um enigma? 
Por que continuamos recriando a mesma realidade?
Questões pertinentes de como o mundo se sente com relação a nós. 
Existe uma diferença entre o modo do mundo nos sentir e como ele realmente é?...

Nosso cérebro e nossas emoções são capazes de uma infinidade de possibilidades as quais desconhecemos grande parte. E na simples rotina do dia a dia,ao qual o filme se embasa, após assistí-lo, passamos a enxergar com outros olhos nossa vida, bem como o que podemos contribuir para melhorá-la.

Depois de um vídeo sobre experimentação animal, no capítulo anterior, nada como um grande incentivo para despertarmos para nós mesmos e para a Vida, mostrando inúmeras possibilidades para colaborarmos para nossa própria evolução...

Pegue a pipoca e coloque em tela cheia, e bom divertimento!

Amit Goswami, Fred Alan Wolf, Joe Dispenza, William Tiller, Jeffrey Statinover, Candace Pert, John Hagelin e David Albert, entre outros. 

 

VOLTAR AO ÍNDICE

 


 

Se você ainda não votou em nossa enquete, clique aqui

Deixe ou leia os comentários -  não necessita fornecer dados

  Enviar página a um amigo!

Home     Página Anterior      Cadastro newsletter     Índice     Próxima página       

E-book: Veterinários no divã - ©2008 Veterinários no Divã  - Todos os direitos reservados 
Respeite os direitos autorais - cópia e reprodução proibidas
safihquelbert@veterinariosnodiva.com.br 

   Web Site Hit Counter