OS CorPOS SUTIS E AS TERAPIAS VIBRACIONAIS 
C
ROMOTERAPIA:

Artigo & Vídeos

 



História da cor e da Cromoterapia - Tipos de Utilização prática - O Sistema de chakras - Os Chakras Humanos  - Os Chakras Animais - Aplicação - As cores no Ambiente

A história do uso das cores se confunde com a própria história da humanidade e poderia fazer parte de um dos maiores capítulos da história da civilização.

 A primeira teoria abrangente das cores, foi desenvolvida pelo Filósofo Empédocles (492-334 a.C). Ele acreditava que toda a natureza consistia de quatro elementos: ar, terra,fogo e água, afirmava que estes quatro elementos combinados em proporções variadas, formavam tudo que existia, inclusive as cores. 

Demócrito(Filósofo 460-360 ªC), que é mais conhecido por desenvolver o conceito do átomo, refinou esta teoria das cores, procurando combinar com as suas próprias teorias, desenvolvendo métodos de misturar cores secundárias a partir das quatro primárias e, algumas da suas misturas (como púrpura e amarelo) são tão precisas que se tornaram um mistério.

O fenômeno da dispersão das cores havia sido percebido por Aristóteles(Filósofo 300 a.C.), que explicava o arco-íris como sendo a reflexão da luz do sol nas gotas da chuva. Porém, no final do século XVII mais precisamente no ano de 1666 a percepção sobre as cores foi alterada para sempre por Issac Newton, filósofo, astrônomo, físico e matemático(1642–1727).

Curioso e apaixonado pelo conhecimento das cores, Newton fez uma das suas maiores descobertas utilizando um prisma de vidro para tentar observar com ele o célebre fenômeno das cores. Fez experimentos e avançou em 1707, descobrindo a decomposição da luz branca e da desigual refrangibilidade das cores. 

Em seu livro Optics descreve suas experiências sobre luz e cor iniciadas em 1666, e a ciência da óptica mais do que qualquer pessoa, contribuindo desta forma com o progresso da ciência e com o que se pode falar hoje de uma verdadeira “revolução Newtoniana”.

Na descoberta realizada, Newton verificou que um feixe de luz solar ao atravessar o prisma de vidro se “abria” num feixe colorido constituído pelas cores: vermelha, alaranjada, amarela, verde, azul, anil e violeta. Para esse feixe colorido Newton deu o nome de “espectro da luz branca solar” e, graças a ele, o fenômeno cromático do arco-íris pôde ser explicado (FIGUEIREDO,1997,p.24-25;NEWTON,1966,p.17).

Os objetos absorvem e refletem a luz de maneiras diferentes, de acordo com a composição de cada um. Ou seja, se a luz branca incide sobre um objeto cuja superfície a absorve por completo, diz-se que este objeto é preto, pois ele não irá refletir luz alguma. 

Por outro lado, se a luz branca ilumina um objeto que parece branco, significa que ele refletiu toda a luz para os olhos do observador. E, se o objeto parecer colorido é porque a luz branca que o ilumina é parcialmente absorvida, e o restante da luz refletida assume a aparência específica de uma ou mais cores.
Portanto, o fenômeno que permite o observador ver os objetos não luminosos que o cercam é reflexão da luz.

Várias foram as civilizações antigas, como a egípcia, a grega, a indiana, a chinesa e outras que fizeram uso das cores para tratamento de saúde. 

Na China e na Índia a cor era mais relacionada à Mitologia e à Astrologia. Na Grécia muitos filósofos-médicos foram absorver o conhecimento da ciência médica na fonte egípcia, com os sacerdotes-médicos. 

A Cromoterapia está intimamente ligada ao antigo Egito assim como a própria Medicina. 

Define-se Cromoterapia como a ciência que utiliza as cores do Espectro Solar para restaurar o equilíbrio físico-energético em áreas do corpo humano atingidas por alguma disfunção.

O vínculo da Medicina ao Egito data de 2800 a.C. com IMHOTEP, considerado o Pai Universal da Medicina, pois foi ele quem escreveu os primeiros livros de Medicina, em rolos de papiros. E também foi ele quem fundou a primeira Escola de Medicina. Séculos mais tarde, Hipócrates (460-377 a.C.), médico grego, esteve no Egito estudando a matéria Médica com os sacerdotes-médicos, durante três anos. De retorno a Cós, sua cidade natal, fundou a primeira Escola de Medicina da Grécia e elaborou o Juramento Médico baseado nos escritos de Imhotep. 

Então, podemos dizer que a Cromoterapia nasceu no antigo Egito, adormeceu milênios, e ressurge como uma Medicina-energética, assim como a Homeopatia e a Acupuntura. 

Diversos foram os pesquisadores do uso das cores, dos quais citamos: 

JOHN OTT - Médico e Diretor do Instituto Sarasota - Flórida/USA, que pesquisou o efeito das cores sobre tumores cancerosos, autor do livro “Health And Light”.

DINSHAH GHADIALI - Médico indiano, residente em New Jersey/USA, estruturou a Cromoterapia em bases científicas através de uma Enciclopédia, em 3 volumes, sobre a utilização das cores nas doenças.

NIELS FINSEN - Médico em Copenhague, Dinamarca. Autor do livro “Propriedades Actínicas da Luz do Sol”, fundou o Instituto da Luz para a cura de pacientes com tuberculose. Realizou curas surpreendentes em cerca de dois mil pacientes com a aplicação da Cromoterapia, recebendo o Prêmio Nobel, em 1903.

RENÉ NUNES - Um dos maiores cromoterapeutas do mundo, jornalista, conferencista e professor, de Brasília - Brasil (falecido em 1995), se dedicou à pesquisa e aplicação da Cromoterapia em mais de dez mil pacientes, obtendo grande índice de recuperação. Autor de diversas obras, das quais cito “Cromoterapia Técnica”. 

Foi o grande divulgador da Cromoterapia como ciência médica-energética no Brasil e no exterior. Em seus vários livros publicados sobre o assunto, bem como, um arquivo com mais de 11000 casos de cura das mais diversas doenças, apresenta, em seus livros, combinações de cores e procedimentos específicos para o tratamento de cada caso.

OSWALDO RENTES,terapeuta complementar / holístico ( Cultural Doctorate in Holistic Therapy ), Cromoterapeuta, Pesquisador Holístico, Conferencista , Palestrante e Escritor. Atuando há mais de 25 anos, ministrando cursos, reciclagem profissional e atendimentos com hora marcada. Autor de: “ O fascinante mundo das cores “, “ Cadernos de Cromoterapia: Guia Prático “, “Cadernos de Cromoterapia: A nova nomenclatura terapêutica “, “ Simplificando a Cromoterapia “ e “ Terapêutica das Cores “. Terapeuta Reiki III.

A CROMOTERAPIA consta da relação das principais terapias alternativas ou complementares reconhecidas pela OMS em 1976, de acordo com a Conferência Internacional de Atendimentos Primários em Saúde de 1962, em Alma-Ata. Essa relação foi ratificada pela OMS em 1983, através do Diretor Geral da World Health Organization-OMS, Dr. Halfdan Mahler, e pelo Diretor do Programa de Medicinas Tradiconais da OMS, Dr. Robert Bannerman. 

Vem sendo utilizada pelo homem cuja aplicabilidade terapêutica apresenta-se sob várias formas:

1- ÁGUA SOLARIZADA

Para essa técnica utilizamos um copo, garrafa, ou recipiente de vidro transparente, e neste, colocamos água potável, envolvendo-o com papel colorido.

A luz solar, filtrada pelo vidro ou papel colorido, energiza a água, que adquire as propriedades da cor selecionada. 

Deverá ser tomado dois copos de água carregada ao dia, sendo um pela manhã em jejum e o outro à noite antes de dormir. A duração desta técnica de tratamento extende-se até a melhora do sintoma.
Esta água é tomada ao longo do dia, em pequenos goles. 

A cor e as doses da água solarizada devem ser indicadas por um cromoterapeuta, que leva em consideração o tratamento como um todo. 

Essa técnica também pode ser usada com óleo de amêndoas para massagens locais (apenas uso externo).

Outras substâncias podem ser solarizadas, assim como leite, óleo de amêndoas (para massagem) e até mesmo alimentos.

Os horários do sol, correspondente com as cores são:

DE 5 A 7HS – AZUL
DAS 7 AS 9HS – VERDE
DAS 9 AS 10HS – AMARELO
DAS 10 AS 12 – LARANJA
DAS 12 AS 14HS – INFRAVERMELHO
DAS 14 AS 16 – VIOLETA
DAS 16 AS 17 – ULTRAVIOLETA
DAS 17 AS 18:30HS - LARANJA

2- MENTALIZAÇÃO DE CORES

É um dos métodos mais eficazes, mas nem todos conseguem mentalizar as cores. 

Se o cliente conseguir, pode visualizá-las sobre o seu corpo ou sobre partes do corpo, durante o tempo indicado. 

No atendimento com a lanterna cromática, o cromoterapeuta costuma realizar ao mesmo tempo esta mentalização, para aumentar a eficácia do tratamento.

3- BANHO DE LUZ

Neste método, o cromoterapeuta recomenda que o cliente compre uma ou mais lâmpadas das cores indicadas, e fique exposto à sua luz durante um determinado período, uma ou mais vezes ao dia.

4 – LANTERNA CROMÁTICA

Neste método o cromoterapeuta utiliza-se uma lanterna com lâminas acrílicas coloridas, com cristal vogel na ponta, iluminando os chakras no sentido horário, segundo ordem técnica padrão aprendida em curso.

Conforme vimos anteriormente, nosso corpo constitui-se de matéria densa e sutil e é nesta área sutil em que se aplicará as cores, conforme o sistema de chakras.

Passemos a compreender o que são chakras e onde estão localizados, tanto em animais como em humanos para a prática desta terapia vibracional.

O SISTEMA DE CHAKRAS:

Assim como existem órgãos e glândulas que regulam o metabolismo no corpo físico, existem "órgão e glândulas energéticas" que regulam o "metabolismo energético" dos corpos mais sutis. Estes órgãos podem ser chamados de chakras ou centros de energia. 

Somente foi possível comprovar sua existência através da pesquisa do russo Semyon Davidovitch Kirlian que, em 1939, inventou uma máquina com a capacidade de fotografar essa energia. Entretanto a Rússia só permitiu a divulgação dessa pesquisa na década de 1960.

A foto-aura, ou foto Kirlian, ou eletrofotografia, ou ainda efluviografia é o registro visual de uma parte do campo de energia da matéria, através de um filme fotográfico na máquina especializada que usa alta freqüência, que expressa uma síntese da situação de todos os corpos, em especial entre os corpos físico e energético.

Pode-se dizer que a foto da aura é uma das comprovações do corpo de energia, denominado de bioplásmico pelos russos e de bioenergético pelos americanos.

O corpo físico para manter a sua atividade necessita da energia do oxigênio que vem do ar e da energia dos alimentos que vem da terra.

Os corpos energéticos, que vibram numa freqüência acima da velocidade da luz, necessitam de um "oxigênio energético" que também vibra numa freqüência acelerada, que está presente na atmosfera, na natureza inteira, na luz solar e que pode ser chamado de prana, energia vital, orgone, mana, chi, fluido cósmico.São esses os ALIMENTOS DOS CORPOS SUTIS, que irão ser metabolizados pelos chakras.

OS CHAKRAS, VÓRTICES OU CENTROS DE FORÇA são órgãos energéticos que absorvem a energia através de seus vórtices, transformando-a e redistribuindo-a entre os CORPOS SUTIS DO SER, onde também, são eliminadas as toxinas energéticas de todo o sistema. (fig à direita)

Os vórtices não são o reflexo do funcionamento dos órgãos físicos, na realidade eles canalizam as energias pânicas, são centros energéticos.

A tensão ou potencial elétrico que alimenta todo o sistema nervoso é extremamente baixa: 0,l volt. Para se ter uma comparação, uma pilha elétrica, do menor tipo, produz 1,5 volt, ou seja, 15 vezes mais em potência. O baixo valor, entre outros fatores, torna particularmente difícil a medição com instrumentos científicos. Baseando-se nas leis físicas, pode-se estabelecer que todo o organismo vivo possui um corpo eletromagnético que emerge da circulação de correntes elétricas através de redes nervosas. Vinardi defendeu esta tese em bancas acadêmicas na sua dissertação de microondas.

Na natureza em geral, quando num ponto determinado do espaço operam certas forças, observa-se formação de redemoinhos. Exemplo disso são as trompas marinhas, furacões (twister). São precisamente a forma dos VÓRTICES que se observam no corpo etérico do ser humano. 

A quantidade é enorme, quase incontável, mas variam em tamanho e importância. 

Visto de cima (de frente) um vórtice é circular, com correntes visíveis e espiraladas, com média de 8 voltas em espiral – mas varia de um vórtice para outro - (lembra um ralo de um pia quando a água se esvai, circulando) Chakra vem do sâncristo, quer dizer RODA. 

Visto de lado, num corte lateral ele parece um cone, uma corneta, e as correntes como se fosse a ranhura (rosca) um parafuso, a boca ou o ápice fica na quarta camada etérica cerca de 4 cm da pele e vai afunilando penetrando até o órgão físico.

A função técnica de um vórtice é transferir energias externas que circulam na quarta camada para dentro dos órgãos, a nível de bio-psico-espiritual. Cada nível de energia opera com seus respectivos centros ou circuitos, e, tratando-se dos vórtices localizados no corpo etérico, as transferências energéticas serão as apropriadas que correspondem a modalidade.

Os vórtices são classificados segundo seu tamanho, função e são assim conhecidos: Magnos, grandes, médios e pequenos.

Nos vórtices (Chakras) estão registrados todas as lembranças, traumas, bloqueios e padrões mentais e emocionais condicionantes do passado. São as "glândulas dos sentimentos e dos pensamentos" e representam a personalidade, a maneira de ser e de se expressar no mundo.

As cores podem ser projetadas com funções específicas, ou seja: - regeneradora, calmante, estimulante, isolante, cauterizadora, lubrificante, coagulante, anti-séptica, analgésica, antibiótica, absorvente, desobstruidora, diluidora, anti-infecciosa e desaceleradora.

Cada tonalidade desperta no ser uma reação física, emocional ou psicológica. 

Você pode facilmente observar esta atuação do efeito das cores nos hospitais por exemplo, onde a cor verde é bem presente (regeneradora, anti-séptica, dentre outras) ou índigo (analgésica, coagulante, dentre outras).

A luz tem um efeito profundo sobre todas as células vivas, uma vez que cada célula é sensível à luz e também dá a sua própria luz vibração. As células da pele agem como filtros de luz e permitir que todas as freqüências de luz para passar para os tecidos e células através do corpo, o que naturalmente inclui os órgãos e glândulas.

Através do uso da vibrações das cores e da absorção natural da luz pelo corpo físico e por nossos corpos sutis, a Cromoterapia procura equilibrar a falta e a abundância das cores e suas respectivas vibrações no corpo. Esse equilíbrio é a base da Cromoterapia para o tratamento das várias desarmonias em que pode ser aplicada. 

As cores utilizadas são: vermelho, laranja, amarela, verde, azul, azul índigo, violeta.

Notas:

Querer catalogar, classificar as cores, é limitar o poder da luz. Cada cor tem uma infinidade de aplicações, pois elas são utilizadas conjugadas a outras energias que estão além dos sentidos, em outras dimensões. Por isso, eventualmente, pode-se usar determinada cor conseguindo-se determinado efeito e, em circunstância diferente, é preciso usar outra até aparentemente antagônica para conseguir o mesmo efeito. 

Para cada pessoa deverá ser feita uma sensibilização diferente, pois a cor deverá combinar com as cores dessa pessoa. Não há cor melhor ou pior, mais nobre ou menos nobre, o que pode haver é a cor errada para determinado momento. 

Por exemplo: costuma-se catalogar o azul como uma cor calmante e quando um paciente se queixa de irritação, nervosismo, costuma-se pensar em alguma cor dentro dos tons de azul. Mas esse paciente pode estar muito desenergizado, tentando superar essa falta de energia e ficando irritado por não conseguir o desempenho que gostaria de ter. Nesse caso, sua necessidade poderia ser de uma cor energética como o vermelho ou o laranja, quando então se acalmaria. 

Assim como toda energia sutil afeta a energia densa (matéria), embora pareça “inofensivo”, o uso da cromoterapia com o cristal Vogel, só deve ser realizado por um profissional especialista, já que a dada a profundidade do alcance, a aplicação indevida das cores pode causar desarmonias, uma vez que cada cor possui suas contra-indicações dependendo do caso. 

SISTEMA DE CHAKRAS HUMANOS:(conforme René Nunes)

1-Chakra Básico – É o 1º chakra, situado na base da espinha dorsal, sob a região sacra. Capta a energia vitalizadora que mantém nosso corpo.Atua sobre a coluna vertebral, sistema nervoso central e periférico, todo o aparelho urinário e reprodutor.Sua coloração é rosa alaranjado.

2-Chakra Umbilical – É o 2º chakra, situado à altura do umbigo,pelo lado direito. No nível físico, ele vitaliza o esôfago, estômago, pâncreas, fígado, vesícula, intestinos, todos os órgãos do aparelho digestivo. Responsável pelas emoções, sendo através dele que o homem adquire uma sensibilidade apurada para perceber emanações hostis ou vibrações afetivas do ambiente. Na sua área são observados os maiores reflexos do desequilíbrio espiritual. Sua coloração é verde.

3-Chakra Esplênico – É o 3º chakra, situado À altura do baço. Abastece o baço, órgão purificador do sangue. Além desta atividade sobre o corpo físico, ele regula a entrada de energia de prana. Recebe diretamente as energias do básico. Sua coloração é rosa.
Podemos perceber o estado energético do paciente medindo esta vibração através do aurímetro. Se baixa, estará com pouca força vital.

4- Chakra Cardíaco – É o 4º chakra situado à altura do coração, À esquerda e acima. È o centro responsável pelo equilíbrio vital e dos sentimentos e emoções. Sofre influência do chakra Umbilical que responde pelas emoções e também pelo plexo solar. Sua coloração é amarelo com infiltrações de rosa.

5-Chakra Laríngeo – É o 4º chakra situado à altura da garganta. Responsável pela área da fonação, garganta e cordas vocais, vias respiratórias (boca, nariz, traquéia, pulmões), e de certas glândulas endócrinas. Sua coloração é azul esverdeado.

6- Chakra Frontal – Situado na fronte entre os olhos é o 5º chakra, atuando sob a hipófise e também na área do raciocínio e visão. Responsável pela vidência audiência e intuição no campo da mediunidade. Tem o amarelo claro e azul claro como principais colorações.

7- Chakra Coronário – Situado no alto da cabeça, é o 6º chakra responsável pela captação de energias, sendo o mais imortante.Estabelece o elo entre a mente física e espiritual. Tem forma diversa dos demais chakras, assemelhando-se mais a um cone com intensas radiações luminosas e translúcidas. Sua coloração é variável, seu centro é menor em diâmetro. È branco com radiações azuladas.

8- Chakra Umeral – Localiza-se nas costas, entre e sobre a parte superior do pulmão esquerdo. É o responsável por toda relação mediúnica entre os planos físico e espiritual. Sua cor depende do momento espiritual da pessoa. Em equilíbrio tem a cor azul, enfraquecido, amarelo.

SISTEMA DE CHAKRAS NOS ANIMAIS:

Embora os animais possam não perceber a tonalidade de todas as cores, o efeito da aplicação cromoterápica ocorre efetivamente, uma vez que se dá pela vibração de ondas sobre a matéria física e órgãos.

A maioria de animais tem 7 Chakras preliminares ativos, até 21 Chakras menores e 6 Chakras botão – bud (4 almofadas da pata, e o botão da pele na abertura das orelhas).

Ao contrário dos humanos adultos, a maioria dos animais têm um sistema energético disperso devido, principalmente, a ter seus corpos horizontal ao invés de alinhamento vertical. 

A maioria dos animais terrestres têm um sistema de energia dispersa, como um bebê humano, ou um pouco como um adulto, que tem mantido a capacidade de experimentar coisas ligadas através sentidos como em sinestesia, onde som, luz, cor, forma, sabor, cheiro e tato são ainda inter-relacionadas.

O Chakras principais nos animais, inteiramente desenvolvidos são: a coroa, o terceiro olho, a garganta, o coração, o plexo solar, o esplênico, e a raiz. O Chakras menores e os botões são pontos de cor menos intensa, porém essenciais à vitalidade do animal. Existem relatos de um oitavo chakra, inexistente nos humanos.

Nem todos os chakras nos animais são vistos como cores. Os Chakras principais são experimentados como centros de energia coloridos e os menores que podem estar fechados em evolução tem cores que variam de animal para animal, dependendo de seu desenvolvimento. 

Dos chakras maiores, os únicos que permanecem abertos do nascimento à morte do animal são o da RAIZ, o SOLAR e o da COROA que estão abertos desde o nascimento e por toda a vida do animal. Os demais chakras maiores podem ou não vir a abrir-se e isto vai depender da estimulação de cada um deles.

Somente alguns animais individuais desenvolveram o chakra do coração e a cor é verde quando é despertada. Do mesmo modo, poucos animais abriram seu chakra da garganta, o chakra do esplênico, ou o chakra do terceiro olho; embora o potencial esteja lá. Uma comunicação instintiva de um animal de estimação vem do centro da raiz (purrs, cascas, uivos, rosnados, etc.).

Os chakras menores e os bud chakras não têm cores tão intensas e definidas como os maiores mas apresentam-se como anéis de luz, com várias cores mescladas de centelhas brancas. Os chakras dos ouvidos, por exemplo, são descritos como de coloração amarelo pálido alternando com azul brilhante quando despertos ou estimulados.

Os “bud chakras” distribuem-se entre os coxins plantares e nas aberturas dos ouvidos. Os dos coxins conectam o animal com a energia da terra, são extremamente sensíveis às vibrações energéticas e quando percebem pontos de “energia boa”, deitam-se sobre estes locais para absorver boas energias através dos chakras solar e da raiz.

Um outro centro que varia em animais individuais é o centro de detecção situado na ponte do nariz entre os olhos. É azul de prata pálido e governa a entrada sensorial e a transmissão da entrada sensorial ao cérebro. Pode ser aguçado em animais sensíveis, ou subdesenvolvidos em outro. Não confunda este centro com o terceiro olho. O 3º olho é um pouco mais alto do que a ponte do nariz.

A localização dos chakras é universal a todos os animais. 

Durante o tratamento de cromoterapia, inclusive alguns animais chegam a adormecer.

1.) CHAKRA BASE ou RAIZ

É o primeiro Chakra, sua cor é o vermelho.

Localiza-se na base da coluna, próximo à inserção da cauda. 

Também está associado ao ânus. Este chakra supre as glândulas adrenais e esta associado à SOBREVIVÊNCIA. O instinto de comunicação como ronronar, latir, uivar, grunhir, relinchar, piar, etc., provem deste chakra. É o responsável pelo bom ânimo, a estabilidade, instinto de preservação, força física. Liga o indivíduo a mãe terra.

2.) CHAKRA SACRAL : é o segundo chakra, sua cor é o laranja. Localiza-se na área baixa do abdome (hipocôndrio) e topo da pélvis. Relaciona-se aos órgãos sexuais e sistema urinário. Distúrbios reprodutivos. As glândulas são as gônadas (ovários e testículos). Segurança, emoção, desejo sexual. Sentido do paladar.

3.) CHAKRA ABDOMINAL CENTRAL ou UMBILICAL ou PLEXO SOLAR: é o terceiro chakra, sua cor é o amarelo. Localiza-se na área central do abdome e costas. Está relacionado aos órgãos da digestão, o fígado; a glândula é o pâncreas. Rege a força, a energia, o propósito e a origem do indivíduo. Sofre influências do estado emocional do animal

4.) CHAKRA DO CORAÇÃO: é o quarto chakra, sua cor é o verde. Localiza-se na área central do tórax. Relaciona-se ao coração, pulmões, fôlego e timo (exerce papel vital no sistema imune). É o chakra do amor, da compaixão e da piedade. Emoção, equilíbrio, partilha. Toque, sensibilidade.

5.) CHAKRA DA GARGANTA: é o quinto chakra, sua cor é o azul celeste. Localiza-se na garganta e relaciona-se à comunicação, vocalização, audição e às glândulas tireóide e paratireóide. É o chakra da criatividade, expressão e da comunicação.

6.) CHAKRA DA FRONTE OU DO TERCEIRO OLHO: é o sexto chakra, sua cor é o azul índigo. Localiza-se entre os olhos, ligeiramente acima do ápice do plano nasal . Governa a recepção sensorial do meio externo e sua transmissão ao cérebro. Relaciona-se às sensações e a intuição. Hipófise; controla o relógio biológico; reconhecimento do self.

7.) CHAKRA DA COROA: é o sétimo chakra, sua cor é o violeta. Localiza-se no topo da cabeça, entre as orelhas. Controla cada aspecto do corpo e da mente animal. É o chakra da conexão com o cosmos e a criação. Quando desequilibrado pode causar depressão, deslocamento e isolamento. É o chakra por onde absorve-se a energia cósmica. . Supre a glândula Pineal, o sistema nervoso central, o sistema cranio-sacral, a medula, pele e cabelos.
O sentido é o do pensamento. As palavras chave são serenidade, espiritualidade, paz, equilíbrio, libertação e sabedoria.

8.) CHAKRA BRACHIAL ou CHAKRA DA CHAVE: é o oitavo chakra, sua cor é o preto. Descrito por Margrit Coates, terapeuta especializada em imposição de mãos (healing hands). Localiza-se na área dos ombros, de cada lado do corpo. Segundo ela, é o mais potente de todos os chakras e é o canal de acesso aos outros chakras maiores, por onde se pode energizar todos os outros. Apresenta importante papel no vínculo animal-humano. Anatomicamente relaciona-se com o plexo braquial, rede que enerva cabeça, pescoço, tórax e membros anteriores.

Os pontos sensoriais principais de um animal assumem um papel importante em seu comportamento. Os animais friccionam seus corpos ao longo das árvores, da terra ou mesmo das pessoas para estimular o chakra do plexo solar, o chakra da raiz e para absorver a energia da terra.

O Chakra nas almofadas da pata é extremamente sensível, e conduz o animal aos pontos harmoniosos da energia. Quando um ponto harmonioso é encontrado, os chakras do plexo solar e da raiz abrirão à tração na energia. Os chakras menores e principais na cauda igualmente ajudam a guiá-la às fontes de energia benéficas. 

Embora os chakras da almofada da pata são a fonte primária para encontrar esta energia, eles igualmente conectam o animal à energia da terra.

Foto Kirlian acima.

APLICAÇÃO:

Cada chakra está relacionado a órgãos específicos do corpo humano ou animal. 

Inicialmente,  a aplicação segue a ordem dos chakras, que é seguida após prévia limpeza de aura, e consiste na luz em cada um deles, seguindo a ordem de baixo para cima, normalmente à distância de 15 cm (com cristal) e 5 cm (sem cristal) onde se aplica fazendo movimentos circulares sentido horário por 30 seg. em cada um. Nas crianças a duração é de 15 seg. 

Conforme a prática do cromoterapeuta, ele sentirá a velocidade do "giro" e a adequará aos mesmos, uma vez que pela cor do chakra que se define conforme sua vibração e portanto gerando uma cor, cada chakra tem uma intensidade de rotação diferente um do outro.

Após esta aplicação inicial, e então conforme a queixa, define-se as outras aplicações adequadas ao problema, seguindo uma ordem. Existem trajetos de aplicação específicos para o sistema nervoso central, sistema linfático, sistema urinário, cardíaco,etc, que se dão diretamente nos órgãos, não só nos chakras, e portanto para cada doença. Por este motivo é imprescindível o estudo da fisiologia humana e animal para compreender onde, além do emocional ( e portanto psicossomático), as doenças afetam dentro do organismo.

Finaliza-se então, com a aplicação com a cor azul em zigue-zague na frente e atrás para corrigir-se algum excesso de luz que possa eventualmente ter sido aplicado.

O  aparelho pode se apresentar sob a forma de bastão ou caneta, com ou sem ponta de cristal, sendo que a ponta de cristal Vogel (lapidado em 12 lados) amplifica e acelera o princípio ativo da pedra, fazendo com que a cor se projete a longa distância e profundamente.

O Bastão Cromático é uma combinação do Bastão Atlante, Cromoterapia e Cristal de Vogel, em um único aparelho para o uso terapêutico. O Bastão, remonta das origens de uma civilização (Atlântida) que existiu antes do nascimento dos egípcios, babilônicos, gregos e outras. Essa civilização utilizava-se amplamente da fonte de energia que provinha dos cristais e metais. Uma grande combinação desses elementos foi, sem dúvida, os bastões, nas suas mais diversas variações. O Bastão é um dispositivo radiônico, cuja função é acumular, ampliar e emitir energia. É confeccionado a partir de um tubo oco de cobre (sendo o cobre um excelente transmissor de energia).

As 8 lentes coloridas geralmente são em acrílico.

O cristal de quartzo límpido (Vogel) pode ser utilizado na ponta do bastão. Vogel, cientista da Nasa, estudou os valores potenciais dos cristais, e percebeu que, lapidando o cristal em doze (12) lados simétricos, ele amplifica e acelera o princípio ativo da pedra. Essa experiência é semelhante ao cano pelo qual passa uma pressão de água muito forte, fazendo com que a água se projete a longa distância.

Pode-se medir a extensão da energia antes e depois da aplicação, que deve estar equilibrada, através do aurímetro. Devido a influência energética do aplicador, o cabo deste instrumento é composto de madeira que é um isolante.

Esse pequeno aparelho, mais conhecido por aqueles que trabalham com radiestesia, prova, cientificamente, a expansão do campo eletromagnético de quem é submetido à energia universal da Terapia Reiki, Cromoterapia, Magnific Healling, Acupuntura, etc. A expansão individual da aura sob a aplicação destas terapias ocorre e o tamanho dela está diretamente relacionado com a história individual de contato e conexão com a luz divina.

A mensuração consiste em segurar no cabo do aurímetro, e aproximar do corpo da pessoa ou animal, na altura dos ombros. Automaticamente a extensão (parte da mola e ponteira) irá se abrir até um ângulo de 180 graus. Conforme vamos nos afastando do cliente,com o aparelho ainda em mãos e em linha reta horizontal (imaginária) este ângulo vai se fechando para 90 graus. Neste ponto é onde termina a extensão da aura ou campo energético. 

Mede-se dos dois lados que devem estar em equilíbrio, onde a desproporção já revela o desequilíbrio dos chakras e portanto desequilíbrio vital.

Nota: O profissional que queira aplicar ou trabalhar com as cores deve, em primeiro lugar, estar em equilíbrio físico-mental-emocional-espiritual e, em segundo lugar, adquirir conhecimentos básicos da ação da luz, onde começa e termina a ordem da aplicação de luz, função das cores,  anatomia e fisiologia humana e animal e, principalmente, "ter a capacidade de doar-se e de ver o seu semelhante como um todo holístico" (René Nunes).

5- AS CORES E O AMBIENTE:

A pesquisa do fenômeno da cor tem apaixonado diversos pesquisadores através dos tempos. Desde a antigüidade, cientistas, filósofos, artistas e estudiosos desta arte, defendem que a cor tem um forte poder de influência no comportamento dos seres humanos (GOLDING,1997).

Muitos são os questionamentos sobre a cor, como por exemplo: Por que enxerga-se o mundo colorido? O que é cor? Que influência ela tem sobre as pessoas? Por que determinadas cores provocam reações boas ou ruins, animam ou relaxam?

Quem já não fez associações com determinadas cores ou usou expressões como : estou “verde” de fome; estou “vermelho” de vergonha? 

A palavra cor vem do latim “color”; em espanhol color; em italiano colore; em francês couleur, em inglês color. Enfim, em todos os idiomas e em todas as culturas, a cor, este fenômeno que dá o colorido ao mundo, está diretamente relacionado à luz.

As cores exercem grande influência no ambiente, modificando-o, animando-o ou transformando-o, podendo desencadear aumento ou depressão de padrões comportamentais em diferentes intensidades, e assim, alterar a comunicação, as atitudes e reações às cores. 

A todo instante estamos em contato com as cores, elas fazem parte da vida e, sem elas, o mundo seria diferente. 

As pessoas sentem grande prazer com a cor e o olho necessita da cor tanto quanto da luz. 

Conforme a literatura de Farina (1990), a cor exerce uma ação tríplice: a de impressionar, a de expressar e a de construir. Ou seja, a cor é vista: impressiona a retina. É sentida: provoca uma emoção. E é construtiva, pois tem valor de símbolo e capacidade, portanto, de construir uma linguagem que comunique uma idéia.
Neste início de milênio, a aplicação da cor nas três modalidades de ação citadas vem sendo considerada conforme diz Morton (2000) nos diversos campos do conhecimento, como psicologia, medicina, arte, ergonomia e segurança do trabalho.

A cor pode ser entendida como sensações visuais provenientes do reflexo da luz sobre os objetos. As superfícies dos corpos exercem uma ação seletiva em relação aos raios luminosos, absorvendo-os ou refletindo-os. Em última análise, apenas a sensação provocada pela ação da luz sobre a visão, quando se varia a qualidade, a quantidade, a forma e o posicionamento das áreas coloridas, provoca respostas com diferentes intensidades. Cada estímulo visual tem características próprias, possuindo tamanho, proximidade, luz e cor. 

A Gestalt coloca que “... a visão não é um registro mecânico de elementos, mas sim a captação de estruturas significativas” (ARNHEIM apud FARINA, 1990, p.43). 
Farina (1990, p.43) completa, usando os princípios da psicologia, para dizer que “...o mundo percebido por qualquer indivíduo é, em grande parte, um mundo resultante das experiências adquiridas em lidar-se com o meio ambiente”.

A cor pode criar ilusões, influenciar diretamente o espaço e criar efeitos diversos, como monotonia ou movimento e, com isso, diminuir ou aumentar a capacidade de percepção, de
concentração e de atenção.

Kandinsky (apud GUIMARÃES, 2002, p.82) afirma que a cor quente sobre a superfície tende a aproximar o objeto do espectador, ao passo que a fria distancia. Assim, tetos e pisos sofrem essas influências: o teto branco dá a impressão de aumentar o espaço, pisos mais escuros passam a idéia de “base, apoio”, enquanto as cores mais claras causam uma sensação de leveza.

Em estudos realizados com tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus), Fanta (1995) sugeriu que as cores preta, branca, amarela e vermelha devem ser evitadas, pois causam diferentes níveis de estresse ou mudanças significativas no comportamento, enquanto a verde seria indicada como a mais adequada em meios artificiais como tanques de criação ou aquários experimentais, por corresponder àquela do ambiente natural de regiões onde a espécie ocorre e não interferir significativamente em seu comportamento.

Apesar de os peixes diurnos, como Oreochromis niloticus, receberem de sua visão forte estímulo sensorial para discriminação de movimentos, formas, cores, aspecto topográfico e profundidade (Fanta et al., 1995), poucos trabalhos publicados relatam a importância da percepção do contraste sobre a alimentação de peixes.

Howell (1977), citado por Dendrinos et al. (1984), relatou um crescimento mais rápido e maior sobrevivência de larvas de “turbot”, Scophthalmus maximus, alimentadas com Brachionus e criadas em tanques pretos, comparativamente àquelas criadas em tanques brancos.

O efeito da cor do meio sobre a alimentação também foi relatado por Ostrowski (1989), que destaca a cor do tanque de criação como o principal fator sobre as taxas de sobrevivência de larvas de dourado marinho (Coryphaema hippurus) em cativeiro. Este autor encontrou percentagem de sobrevivência significativamente elevada para tanques pretos, comparativamente aos tanques mais claros ou brancos, recomendando o uso de tanques pretos para sistemas em que rotíferos são usados como alimento.

Green et al. (1991) relataram a influência da cor do ambiente sobre o metabolismo, demonstrando na truta arco-íris (Salmo gairdneri), que a quantidade do hormônio concentrador de melanina (MCH) liberada pelos peixes mantidos em tanques brancos foi superior àquela observada nos animais criados em tanques pretos.

Papoutsoglou et al. (2000), por intermédio da quantificação do cortisol plasmático, observaram menor grau de estresse em carpas mantidas em ambientes brancos, comparativamente aos ambientes preto e verde. (postar o link nas refs.)

Existem cores de pigmento ou cores de luzes, estas originadas de corpos de luz própria, como o sol ou lâmpadas coloridas. Já as cores de superfície não possuem energia radiante, tornam-se visíveis graças à iluminação. O processo de expressão estética das cores pode ser através da mente, das lâmpadas coloridas, da dieta, da água solarizada, da luz solar, nas vestimentas e no ambiente através da decoração. 

A natureza está sempre em busca de equilíbrio, a nossa existência é caracterizada por dualidades, havendo o masculino e o feminino, o positivo e o negativo, o claro e escuro, dentre outros contrastes. 

Nas cores também existem as polaridades, como cores frias e cores quentes. O vermelho é considerado cor quente e o azul, cor fria. Quanto mais quente for considerada a cor, mais vermelho ela contém. Quanto mais fria, mais azul ela possui, sendo esta consideração simbólica, mas real, quando aplicada à cura.

Na área de saúde a aplicação de cores precisa ser adequada para transmitir a sensação de maior bem estar para o paciente, família e profissionais. Trabalhos científicos já verificaram a influência da estética do ambiente, no bem estar geral dos pacientes e da equipe médica, apontando para a importância de cores dentro do ambiente da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que se não utilizadas adequadamente, podem contribuir como fator de estresse. 

A questão da estética é um caminho a considerar e que preconiza o cuidado atribuído às condições do ambiente. Os profissionais de saúde devem procurar e implantar medidas que favoreçam a promoção do bem-estar físico e emocional deles mesmos, assim como da sua equipe, dos pacientes e familiares, incluindo a melhoria no ambiente de trabalho, onde é fundamental a preocupação com as cores neste local. 

Entretanto, percebe-se que a escolha da cor a ser utilizada no ambiente hospitalar, e especialmente nas Unidades de Terapia Intensiva, não se baseia na preferência daqueles que se inter-relacionam neste meio. Deste modo, considera-se oportuno investigar quais são as cores consideradas agradáveis e desagradáveis por parte de profissionais e clientes, verificando, inclusive, se estas coincidem ou não com aquelas presentes nos ambientes de UTI. 

A preocupação com a utilização adequada das cores para os ambientes deveria existir já no processo de construção dos hospitais, inclusive na Unidade de Terapia Intensiva, bem como nas clínicas, hotéis e pet-shops voltados para lazer, higiene e atendimento veterinário dos animais.

Para os pacientes internados e profissionais que ali trabalham, a o espaço de internação é um espaço restrito, único, pequeno e tenso, o que interfere no estado emocional do organismo, levando ao desgaste geral e consequentemente, provocando estresse. Isto vendo o fato de permanecer durante horas em uma área de muito sofrimento e pouco atrativa em termos de decoração. 

O contato apenas com cores monótonas ou que lembram doenças, morte, podem interferir nas questões físicas e nos aspectos emocionais e psicológicos, tanto de forma consciente quanto inconsciente. Desta forma, a harmonia das cores nos mobiliários, roupas, paredes, piso, teto e na decoração dos serviços de saúde é relevante, especialmente se considerarmos o período de internação da maioria dos pacientes e de trabalho dos profissionais. 

Apesar de ser reconhecida a importância e influência das cores nos organismos, poucos trabalhos referentes à aplicação de cores no ambiente hospitalar foram encontrados na literatura, onde sem contar com as privações de praxe, quase sempre os pacientes sofrem de várias privações sensoriais, entre elas os benefícios físico-emocionais que trazem consigo. 

Artifícios simples, como a aplicação de cor adequada ao ambiente, podem amenizar o estado de estresse das pessoas e animais internados, consultórios, profissionais de saúde, justificando a realização de estudos que se preocupem com essa temática.

Existem vários outros métodos de utilização das cores na cromoterapia, mas estes são os principais. Outros incluem a dieta das cores, o uso de roupas coloridas, etc.

Na próxima página passaremos a conhecer a atuação dos florais, sobre a mesma energia sutil, mas antes, 2 vídeos:

 1 - Comprovação científica da ação das luzes sobre as células, pesquisa feita pelo biomédico Wagner Gabriel e equipe - UNG.

2 - Explicativo em 3D sobre nossos corpos multidimensionais & chackras 

(clique aqui para desligar o som da página e, no topo, clique em "Vídeo" para voltar aqui.

Safih QUELBÉRT é cromoterapeuta desde 1995, ALUNA DO RENOMADO PROF. OSWALDO RENTES - terapeuta complementar / holístico ( Cultural Doctorate in Holistic Therapy ), Cromoterapeuta, Pesquisador Holístico, Conferencista , Palestrante e Escritor. Atuando há mais de 25 anos, ministrando cursos, reciclagem profissional e atendimentos com hora marcada. Autor de: “ O fascinante mundo das cores “, “ Cadernos de Cromoterapia: Guia Prático “, “Cadernos de Cromoterapia: A nova nomenclatura terapêutica “, “ Simplificando a Cromoterapia “ e “ Terapêutica das Cores “. Terapeuta Reiki III

Notas:

A CROMOTERAPIA consta da relação das principais terapias alternativas ou complementares reconhecidas pela OMS em 1976, de acordo com a Conferência Internacional de Atendimentos Primários em Saúde de 1962, em Alma-Ata. Essa relação foi ratificada pela OMS em 1983, através do Diretor Geral da World Health Organization-OMS, Dr. Halfdan Mahler, e pelo Diretor do Programa de Medicinas Tradiconais da OMS, Dr. Robert Bannerman.

Existe um sindicato onde o profissional pode se filiar, SINTE, após apresentação do certificado de curso e monografia, obtendo o seu nº de CRT, e como manutenção efetua o pagamento da anuidade parcelado. Porém não é obrigatória a inscrição.

CRT é a marca registrada que abrevia CRT - CARTEIRA DE TERAPEUTA HOLÍSTICO CREDENCIADO, a qual atesta a filiação ESPONTÂNEA do profissional ao SINTE - SINDICATO DOS TERAPEUTAS, o que resulta em compromisso contratual ao cumprimento dos requisitos éticos e qualitativos de seu órgão de classe.

O fato de o Terapeuta Holístico possuir ou não CRT - CARTEIRA DE TERAPEUTA HOLÍSTICO CREDENCIADO - ou estar filiado a qualquer entidade da área, do ponto de vista legal, é irrelevante, uma vez que inexiste obrigatoriedade por Lei Federal.

Porém, haja vista a profundidade e alcance desta e de outras terapias vibracionais, algumas classificadas e cursadas como especialidade médica (homeopatia e acupuntura veterinária), se faz necessário um estudo aprofundado e criteriosa escolha do local para instrução/ formação de forma a assegurar a eficiência dos resultados sem danos.

TERAPIA HOLÍSTICA 

(Terapia = harmonizar, equilibrar; Holística = do grego holus: totalidade), utilizando-se de uma somatória de técnicas milenares e modernas, sempre suaves e naturais, proporcionando harmonia, autoconhecimento. Nunca substituem o atendimento médico ou veterinário.

A partir de 1º/12/2000, conforme decisão da Diretoria do V Congresso Mundial de Kirlian - 2000/Curitiba, o termo Kirliangrafia foi substituido por "Bioeletrografia" como nome oficial a nivel internacional.

Cópia e Reprodução Permitidas desde que inalterado conteúdo, mencionada a fonte: WWW.VETERINARIOSNODIVA.COM.BR, cujo artigo composto teve todas as referencias citadas abaixo.  Se você perceber, os autores pesquisados por mim, também foram respeitados e mencionados nesta página.  Obrigada!


Referências base para este artigo

Vídeos:

Sobre pesquisa da Ung  - Biomédico Wagner Gabriel e equipe:

 Google vídeo

 

site bem completo sobre ciência e espiritualidade, nosso parceiro, e onde obtive o contato para vídeo Sobre o ser tridimensional:

http://quociente spiritual.blogspot.com   e  Fonte original: IBBIS - www.ibbis.org

Demais fontes complementares para este Artigo sobre Energia e Matéria - Psicossomática - Cromoterapia e Chakras:

Livros:

René Nunes - Compêndio Científico de Cromoterapia
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

Sheldrake - Biologia Trascendental
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

O SER QUANTICO - DANAHZOHAR
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

FritjofCapra - A Teia da Vida
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

A ponte entre a Ciencia e a Religiao - Amit-Goswami
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

Artigos para compor o texto:

A cor no ambiente hospitalar
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

Efeito da Cor no Ambiente sobre o Estresse Social em Tilápias do Nilo
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

STRESS E SISTEMA IMUNOLÓGICO – TATIANA GUTERRES CÂMARA - 
HTTP://WWW.PSICIN.PSC.BR/ARTIGOS/STRESS.PDF

A Influência das cores no consumidor
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

A IMPORTÂNCIA DA COR EM AMBIENTES DE TRABALHO
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

As-cores-no-ambiente-de-terapia-intensiva
http://veterinariosnodiva.com.br/books/

Páginas:

DRA. CARMEN COCCA – MÉDICA VETERINÁRIA HOMEOPATA – CHAKRAS DOS ANIMAIS 
HTTP://HOMEOPATAS.BLOGSPOT.COM/2009/02/OS-CHAKRAS-DOS-ANIMAIS.HTML

Prof. Oswaldo Rentes
http://cromoterapia-itcor-cursos.blogspot.com/

Martha Follain
http:floraisecia.com.br

MAGNÍFICA - OS CORPOS SUTIS DO HOMEM 
HTTP://WWW.MAGNIFICA.COM.BR/ESPIRITISMO/ESTUDOS/CORPOS_SUTIS.ASP

ENDOCRINOLOGIA E PSICOSSOMÁTICA
HTTP://WWW.VIRTUALPSY.ORG/PSICOSSOMATICA/HIPOFISE.HTML

DA EMOÇÃO À LESÃO
HTTP://GBALLONE.SITES.UOL.COM.BR/PSICOSSOMATICA/RAIVA.HTML

IMUNOLOGIA E EMOÇÃO
HTTP://GBALLONE.SITES.UOL.COM.BR/PSICOSSOMATICA/IMUNO.HTML

EMOÇÕES E EIXO HIPOTÁLAMO-HIPOFISÁRIO-SUPRARENAL
HTTP://WWW.VIRTUALPSY.ORG/PSICOSSOMATICA/HIPOFISE.HTML

APRENDENDO A RECONHECER E CONVIVER COM O STRESS
HTTP://WWW.AGILITEIROS.COM/JOURNAL/STRESS.HTM

O CIRCUITO CEREBRAL DO STRESS 
HTTP://WWW.PSLEO.COM.BR/PSICOLOGIA29.HTM

DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS - RENAN DOS SANTOS 
HTTP://WWW.COLADAWEB.COM/MEDICINA/PSICO2.HTM

CIRCLE OF LIGHT
HTTP://WWW.CIRCLE-OF-LIGHT.COM/

PORTAL MÁGICO 
HTTP://WWW.PORTALMAGIKO.TUDOPORANIME.NET/CHAKRA.HTM

AVALIAÇÃO DE SUPORTE NUTRICIONAL SOBRE A ALTA HOSPITALAR EM CÃES E GATOS
- MARCO ANTONIO BRUNETTO - 
HTTP://WWW.FCAV.UNESP.BR/DOWNLOAD/PGTRABS/CMV/M/2778.PDF

MÉDICO HOMEOPATA DR.MOISES 
HTTP://WWW.DOUTORMOISES.COM.BR

O CONCEITO DE COPING – UMA REVISÃO TEÓRICA – 
ADRIANE SCOMAZZON ANTONIAZZI,DÉBORA DALBOSCO DELL’AGLIO 
E DENISE RUSCHEL BANDEIRA
HTTP://WWW.SCIELO.BR/PDF/EPSIC/V3N2/A06V03N2.PDF 

AS CORES DO AMBIENTE NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 
HTTP://WWW.FEN.UFG.BR/REVISTA/REVISTA6_3/07_ORIGINAL.HTML

SHRI MATAJI NIRMALA DEVI 
HTTP://WWW.SAHAJAYOGA.ORG.BR/CHAKRAS.HTML#LISTA

CROMOTERAPIA 
HTTP://WWW.CROMOTERAPIA.ORG.BR/

BIOPSICOENERGÉTICA
HTTP://ESPIRITUALISMO.HOSTMACH.COM.BR/CHACRAS2.HTM

ELOISA BARIEGO
HTTP://ELOSABARIEGO.MULTIPLY.COM/JOURNAL/ITEM/762


Se você ainda não votou em nossa enquete, clique aqui

Deixe ou leia os comentários -  não necessita fornecer dados

  Enviar página a um amigo!

Home     Página Anterior      Cadastro newsletter     Índice     Próxima página       

E-book: Veterinários no divã - ©2008 Veterinários no Divã  - Todos os direitos reservados 
Respeite os direitos autorais - cópia e reprodução proibidas
safihquelbert@veterinariosnodiva.com.br 

   Web Site Hit Counter