<bgsound loop="INFINITE" src="http://www.veterinariosnodiva.com.br/music/gatozen2.mp3"></bgsound>

Enriquecendo nossas Interpretações

Antes de passarmos para o próximo módulo de artigos, escolhi um conto para reflexão...

A cada nova transformação nossa envolve o processo "velho X novo", o "morrer X renascer", transmutar.

É assim que vamos evoluindo e acrescentando novas formas de pensamento às antigas existentes...

Uma das coisas importantes que quero levar a vocês através deste e-book é a questão do aprimoramento da sensibilidade no interpretar.

Por este motivo, este conto, seja para uma análise diagnóstica ou numa relação interpessoal, traz muitos ensinamentos...

Para quem já o leu, muito provavelmente possa ter  se  comovido momentaneamente e após algum tempo, deixado pra trás tudo o que ele nos impulsiona... Mas para você que o está lendo agora, perceberá na verdade que ele aborda outras profundezas, assim como tudo na vida...É uma questão de "ver as coisas com o coração"como ensina-nos o Pequeno Príncipe...

Dentro da mensagem deste conto, está o ensinamento do amor em todas as atitudes... 

Ele sugere formas diferentes para amenizar e tratar a dor da perda... 

Ele ensina como podemos interpretar as perdas de uma forma construtiva e reparadora, seja na perda de um animal ou ente querido, nos ensina uma nova maneira mais sensível para explicarmos a nossos filhos, ou até para a própria assimilação humana, sobre o como lidar  e interpretar esta passagem da vida a qual temos muita dificuldade de trabalhar a aceitação interna.

Em outro enfoque, o simbolismo deste animal, também sugere a reflexão do quão é "precioso e sublime" cada minuto ao lado de nosso parceiro, de todos os seres que  amamos...

E se formos ver mais profundamente ainda, quando ele menciona sobre o barbante, podemos adaptar esta percepção à passagem do nosso estado criança para o adulto. 

Estes dois lados, apesar de transformados ainda existem dentro de nós...fazem parte do mesmo barbante, ou seja, do mesmo corpo. Eles não morreram...apenas se transformaram...

Se nos utilizamos mais do nosso lado adulto nas situações, isso não quer dizer que nosso lado criança não mais exista...ele está apenas adormecido.

Apesar do nosso rito de passagem "morte simbólica da criança interna para uma nova fase de vida, o ingresso à vida adulta", ambos ainda existem dentro de nós e nunca devemos esquecer esta criança...

É ela, nossa criança internalizada, que conduz e norteia nossos sentimentos, nossa criatividade, autenticidade, compaixão, confiança, intuição, o feeling...

Toda criança é livre de preconceitos, e ela está sempre em nós...apenas aprendemos a não dar tanta atenção à ela...

Quando o autor menciona, ao final:"tão diferente do seu querido Gato anterior mas, ao mesmo tempo, tão parecida" assim somos nós:

Adultos tão diferentes do nosso lado criança, mas ao mesmo tempo tão parecidos...

Desta forma, o exemplo deste conto e todas estas possibilidades interpretativas e reflexivas servem para ampliar nossa percepção e compreensão de tantas outras situações que surgem dia a dia, nos estimulando agora a tentar enxergar mais o que estará por trás, subliminarmente em cada uma delas,  nos conduzindo a uma melhor maneira de tirar assim o máximo ensinamento  de uma situação aparentemente simples, nos proporcionando um maior crescimento pessoal nas pequenas coisas da vida...

Segue o conto, que acredito agora, será visto com olhos bem mais profundos por todos vocês...

O Gato Zen

O Homem estava muito triste. Sabia que os dias do Gato estavam contados. O médico havia dito que não havia mais nada a fazer, que ele deveria levar o Gato para casa, e deixá-lo o mais confortável possível.

O Homem acariciou o Gato em seu colo e suspirou. O Gato abriu os olhos, ronronou e olhou para o Homem. Uma lágrima escorreu pela face do Homem e caiu na testa do Gato. O Gato lhe lançou um olhar ligeiramente irritado.

"Por que você está chorando, Homem?", perguntou. "Porque não suporta a idéia de me perder? Porque acha que nunca vai poder me substituir?"

O Homem fez que sim com a cabeça."E para onde acha que eu irei quando deixar você?", o Gato perguntou.

O Homem deu de ombros, sem saber o que dizer.

"Feche os olhos, Homem", disse o Gato. O Homem o olhou sem entender bem, mas obedeceu.

"De que cor são meus olhos, meu pêlo?", o Gato perguntou.

"Os olhos são dourados e o pêlo é marrom, um marrom intenso e vivo", o Homem respondeu.

"E em que parte do corpo tenho pêlos mais escuros?", o Gato perguntou.

"Nas costas, no rabo, nas pernas, no nariz e nas orelhas", disse o Homem.

"E em que lugares você mais costuma me ver?", perguntou o Gato.

"Eu vejo você... no parapeito da janela da cozinha, observando os passarinhos... na minha cadeira preferida... na escrivaninha, deitado em cima dos papéis de que eu preciso... no travesseiro ao meu lado, à noite".

O Gato assentiu.

"Você consegue me ver em todos esses lugares agora, mesmo de olhos fechados?", perguntou.

"Claro. Vi você neles por muitos anos", o Homem disse.

"Então, sempre que você quiser me ver, tudo o que precisa fazer é fechar os olhos", disse o Gato.

"Mas você não vai estar lá de verdade", respondeu o Homem com tristeza.

"Ah, é mesmo?", disse o gato. "Pegue aquele barbante do chão - ali, meu 'brinquedo'".

O Homem abriu os olhos, esticou o braço e pegou o barbante. Tinha uns 60 centímetros e o Gato conseguia se divertir com ele por horas e horas.

"De que ele é feito?", o Gato perguntou.

"Parece que é de algodão", o Homem disse.

"Que vem de uma planta?", perguntou o Gato.

"Sim," disse o Homem.

"De uma só planta ou de muitas?"

"De muitos algodoeiros," o Homem respondeu.

"E seria possível que outras plantas e flores nascessem no mesmo solo do algodoeiro? Uma rosa poderia nascer ao lado do algodão, não?", perguntou o Gato.

"Sim, acho que seria possível", disse o Homem.

"E todas as plantas se alimentariam do mesmo solo e da mesma chuva, não é?", o Gato perguntou.

"Sim", disse o Homem.

"Então, todas as plantas, a rosa e o algodão, seriam muito parecidas por dentro, mesmo aparentando ser muito diferentes por fora", disse o Gato.

O Homem concordou com a cabeça, mas não conseguia entender o que aquilo tinha a ver com a situação.

"E então, aquele barbante", disse o Gato, "é o único barbante do mundo feito de algodão?"

"Não, claro que não", disse o Homem, "foi tirado de um rolo de barbante".

"E você sabe onde estão todos os outros pedaços de barbante, e todos os outros rolos?", perguntou o Gato.

"Não, não sei... seria impossível saber", disse o Homem.

"Mas mesmo sem saber onde estão, você acredita que eles existem. E mesmo que alguns pedaços de barbante estejam com você, e outros estejam em outros lugares... mesmo que alguns sejam curtos e outros sejam compridos, e mesmo que seu rolo de barbante não seja o único no mundo... você concorda que há uma relação entre todos os barbantes?", o Gato perguntou.

"Nunca tinha pensado nisso, mas acho que sim, há uma relação", o Homem disse.

"O que aconteceria se um pedaço de barbante caísse no chão?", perguntou o Gato.

"Bom... ele ia acabar enterrado, e se decompondo na terra", o Homem disse.

"Sei", disse o Gato. "E talvez nascesse mais algodão naquele lugar, ou uma rosa".

"Pode ser", concordou o Homem.

"Quer dizer que a rosa no parapeito da janela pode ter alguma relação com o barbante na sua mão, e também com todos os barbantes que você nunca viu", disse o Gato.

O Homem franziu a testa, pensando.

"Agora pegue uma ponta do barbante em cada mão", instruiu o Gato.

O Homem fez o que foi pedido.

"A ponta na mão esquerda é o meu nascimento, e a na mão direita é minha morte. Agora junte as duas pontas", disse o Gato.

O Homem obedeceu.

"Você formou um círculo contínuo", disse o Gato. "Alguma parte do barbante parece diferente, melhor ou pior que qualquer outra parte dele?"

O Homem examinou o barbante e então fez que não com a cabeça.

"O espaço dentro do círculo parece diferente do espaço fora dele?", o Gato perguntou.

De novo, o Homem fez que não com a cabeça, mas ainda não sabia se estava entendendo onde o Gato queria chegar.

"Feche os olhos de novo", disse o Gato. "Agora lamba a mão".

O Homem arregalou os olhos, surpreso.

"Faça o que eu digo", disse o Gato. "Lamba a mão, pense em mim em todos os meus lugares costumeiros, pense em todos os pedaços de barbante, pense no algodão e na rosa, pense em como o interior do círculo não é diferente do exterior".

O Homem se sentiu bobo, lambendo a mão, mas obedeceu. Ele descobriu o que um gato deve saber, que lamber uma pata é muito relaxante, e ajuda a pensar mais claramente. Continuou a lamber, e os cantos da boca começaram a esboçar o primeiro sorriso que ele dava em muitos dias. Esperou que o Gato lhe mandasse parar mas, como este não mandou, abriu os olhos. Os olhos do Gato estavam fechados. O Homem acariciou o pêlo marrom, quente, mas o Gato havia morrido.

O Homem cerrou os olhos com força e as lágrimas começaram a escorrer pelo seu rosto.

Viu o Gato no parapeito da janela, na cama, deitado em cima dos papéis importantes. Ele o viu no travesseiro ao seu lado, viu os olhos dourados brilhantes, e o marrom mais escuro no nariz e nas orelhas. Abriu os olhos e, por entre as lágrimas, olhou para a rosa que crescia em um vaso na janela, e depois para o barbante que ainda segurava apertado na mão.

Um dia, não muito depois, tinha um novo Gato no colo. Era uma linda gata malhada... tão diferente do seu querido Gato anterior mas, ao mesmo tempo, tão parecida.


fonte: http://www.redevet.com.br

Copyright 2001 by Jim Willis. Todos os direitos reservados.
Tradução: Daniela Travaglini
Copyright da tradução brasileira © 2003 by Lugano Editora

Deixe ou leia os comentários -  não necessita fornecer dados

  Enviar página a um amigo!

Home     Página Anterior      Cadastro newsletter     Índice     Próxima página       

E-book: Veterinários no divã - ©2008 Veterinários no Divã  - Todos os direitos reservados 
Respeite os direitos autorais - cópia e reprodução proibidas
safihquelbert@veterinariosnodiva.com.br 

   Web Site Hit Counter